quarta-feira, abril 26, 2017

8

GREVE: A Bíblia é contrária à luta do trabalhador?



Por Hermes C. Fernandes

Seria lícito a um seguidor de Cristo aderir a uma greve como que tem sido proposta para o próximo dia 28? Muitos teólogos de gabinete dizem que não e, aproveitam as redes sociais para condenar a participação de cristãos em qualquer greve ou manifestação por direitos. Passagens bíblicas são pinçadas de seus contextos para dizer o que, de fato, não pretendem dizer.

Por exemplo, quando João Batista adverte aos soldados “contentai-vos com vosso soldo” (Lucas 3:14), sua intenção era coibir qualquer tentativa de extorsão. Ele ainda diz: “A ninguém trateis mal nem defraudeis”. Portanto, não se trata de desqualificar a lutar por melhores salários ou condições dignas de trabalho. Se desejar e lutar por salários melhores fosse pecado, ninguém deveria estudar, buscar qualificar-se profissionalmente ou mesmo procurar um emprego melhor.

“Quem não trabalha, não deve comer” (2 Tessalonicenses 6:11), admoestou Paulo. Será que esta passagem inviabiliza a participação de cristãos numa greve justa? Ou será que este “Puxão de orelha” do apóstolo estava dentro de um contexto particular que nada tem a ver com greve? Lembremo-nos que a greve é um mecanismo relativamente novo usado pela classe trabalhadora para forçar a classe dominante a atender suas reinvindicações. Nem Paulo ou qualquer outro escritor bíblico tiveram conhecimento sobre isso. Esta passagem em particular revela a preocupação de Paulo com os que queriam se locupletar da generosidade dos cristãos primitivos. Gente que queria uma fatia do bolo sem ter contribuído com a massa.

Que resultado é esperado de uma greve? Garanto que não é a garantia de uma vida ociosa, onde se ganha sem nada fazer. O que se espera são melhores condições de trabalho, salário digno, direitos ampliados e preservados, etc.

Antes de sair por aí condenando grevistas, consideremos a legitimidade de suas reivindicações. Como por exemplo, uma renumeração que lhes permita oferecer conforto e dignidade à sua família. O Deus revelado nos evangelhos está atento ao clamor dos trabalhadores! Ou não foi isso que Tiago disse em sua epístola?

“Vede! O salário dos trabalhadores que ceifaram os vossos campos e que por vós foi retido com fraude está clamando. Os clamores dos ceifeiros chegaram aos ouvidos do Senhor Todo-poderoso.” Tiago 5:4

E como fazer vista grossas às passagens abaixo?

“Não oprimirás o teu próximo, nem o roubarás. O salário do operário não ficará em teu poder até o dia seguinte.” Levítico 19:13

Se Deus não admite que se atrase o salário um dia, o que dirá de um governo que atrasa o salário dos seus funcionários por meses enquanto dá isenções bilionárias a grandes empresas?

“Não explorarás o assalariado pobre e necessitado, seja ele teu irmão, seja ele estrangeiro que mora na tua terra e nas tuas cidades.” Deuteronômio 24:14

E pensar que há teólogos contrários ao direito do imigrante...

Quem condena greves, por uma questão de coerência, deveria recusar qualquer benefício que houvesse sido conquistado através deste mecanismo legítimo de luta do trabalhador.

Ao aderir a uma greve, o cristão não está lutando apenas por um direito particular, mas pela classe que representa. Portanto, ele luta pelo bem comum. Como Jesus, ele é um cordeiro quando se trata de sair em defesa própria, mas um leão quando se trata de defender a causa do outro. Foi assim na casa de Simão, o fariseu. Jesus não se preocupou em defender sua honra, quando seu anfitrião pôs em xeque sua autoridade espiritual pelo fato de aceitar a oferta de uma prostituta. Mas ao vê-la sob o ataque e censura até de seus próprios discípulos, Jesus saiu em sua defesa. Alguns, equivocadamente, pensam que Jesus sofreria de algum tipo de bipolaridade. Da primeira vez em que veio ao mundo, assumiu o papel de um cordeiro pacífico. Porém, em Seu segundo advento, viria como um leão. Ele segue sendo, desde sempre, leão e cordeiro. E assim deveríamos, como seus discípulos, nos posicionar.

No caso dos direitos trabalhistas que estão sob ameaça, se não sairmos de nossas tocas religiosas, estaremos sendo condescendentes e coniventes com a injustiça. Mas pelo jeito, preferimos adotar uma postura oposta a de Jesus. Somos leões em advogar em causa própria e cordeiros quando se está em jogo a causa do oprimido.

Se Martin Luther King pensasse como muitos dos nossos pastores, os negros americanos ainda estariam segregados. Foi ao custos de muitas greves, boicotes e manifestações que a América se dobrou às reivindicações daquele jovem pastor.

Os mesmos pastores que promovem o boicote de produtos que, segundo eles, seriam contrários aos valores da família, manifestam-se contrários a uma greve justa contra a exploração de toda uma classe.

Talvez esta seja a diferença entre pastores e teólogos de gabinete e aqueles que arregaçam as mangas e sujam seus sapatos na lama, emprestando sua voz aos que não têm voz.


Por essas e outras, sou 100% favorável à Greve Geral convocada para o próximo dia 28. Que o Brasil pare, e quiçá não apenas por um dia, mas até que cesse a exploração e os direitos trabalhistas conquistados a duras penas sejam garantidos para esta e para as próximas gerações. 

8 comentários:

  1. apoiado! belo texto fazendo uso da bíblia com sabedoria e contextualização...

    ResponderExcluir
  2. Não creio como lícito. Acho mais lícito, e eficaz, orar. Agora, se muitos pastores aconselharam a gritar "fora Dilma", e a seguir o 'pato amarelo', por que não seria lícito entrar em greve? Talvez seja...
    Na minha opinião estritamente bíblica, NOSSA PÁTRIA ESTÁ NOS CÉUS(Fp 3:20). Eu não tenho ideais de modificar esse país, nem esse planeta. Nem é "fugir da guerra", como dizem os mais ignorantes. É guerrear em outro campo. NOSSA GUERRA NÃO É CONTRA CARNE OU SANGUE (Ef 6:12). Não vou declarar guerra ao que não me foi autorizado declarar. Um soldado não pode assumir outras causas, além da sua(2 Tm 2:4). Considero que Deus não seja capitalista. Tampouco socialista. Deus é feudal. E tem razão em se-lo. Em todo caso, quem é cristão não se deixa envolver em questões de esquerda, ou direita...
    A paz!!!

    ResponderExcluir
  3. Parabéns amigo! Sempre lavo a minha alma quando venho aqui! A dúvida é natural e oro para que Deus sempre o abençoe, inspire e ampare! Sou Espírita e admiro muito o seu trabalho e lucidez! Obrigada !

    ResponderExcluir
  4. Anônimo12:12 AM

    Desde quando que esses pelegos sindicalistas são trabalhadores? Vou citar só um exemplo, não para o Hermes, que obviamente está destorcendo a Bíblia para apoiar a sua ideologia, ou seja, o mesmo é um caso perdido, mas, o que os sindicalistas dos Correios fizeram quando o PT/Lula/Dilma roubaram os fundos de pensão de milhares de funcionários do mesmo? NADA, e o resultado é que além de terem sido ROUBADOS pelos Partidos dos "TRABALHADORES" ainda estão tendo que pagar 15 ou 20 % a mais do salário para cobrir o rombo/ROUBO, e sem UMA notinha sequer dos sindicalistas a respeito, sem umazinha greve pra contar história. É de dar PENA, tanto desses trabalhadores coitados que foram roubados e sequem podem reclamar já que os líderes sindicais participaram direta ou indiretamente do esquema para conter a revolta, quanto do Hermes que faz de tudo para proteger os seus bandidos de estimação da sua verdadeira religião vermelha.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo12:15 AM

    Alguém avisa pra esse pastor que a CLT é de inspiração fascista e que por isso essa reforma trabalhista se faz necessária, principalmente no ponto de acabar com os mais de milhares de sindicatos pelegos que fazem parte da máfia vermelha que destruiu o Brasil deixando mais de 14 milhões de DESEMPREGADOS, e outros mais de 40 milhões de DEPENDENTES de Bolsa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo6:38 PM

      Aff...de onde vc tira tanta informação equivocada?

      Excluir
  6. Anônimo10:47 AM

    Papagaio de MBL... cadê sua base bíblica para seus argumentos?

    ResponderExcluir
  7. Vc deve ser petralha, por isso é a favor...

    ResponderExcluir