quinta-feira, maio 13, 2010

5

Homem de Ferro: Herói sem frescuras

iron-man3 Na última terça-feira fui ao cinema com meus filhos para assistir ao segundo filme do Homem de Ferro (IronMan 2). Sem dúvida o melhor filme de super-herói que tenho visto em anos. Fotografia, impecável. Efeitos mais que especiais. E a trilha sonora… sem comentários. A sala estava lotada, mesmo sendo um dia não muito disputado. A maioria da platéia formada por marmanjões como eu. Gente que em sua adolescência devorava os gibis deste extraordinário herói da Marvel. Por que extraordinário? Deixe-me explicar.

Stan Lee é um gênio. Criador de heróis como o Capitão América, o Incrível Hulk, o Homem-Aranha, Thor, os X-Men, o Demolidor, a meu ver, ele se superou ao criar o Homem de Ferro. Diferente dos demais heróis, o Homem de Ferro não esconde uma identidade secreta, e tão-pouco possui superpoderes.

Diferente do Homem Aranha, ele não tem crise de identidade, típica de adolescentes. Tony Stark é um quarentão bem-sucedido que herdou do pai não apenas uma próspera empresa, mas também a obsessão pelo futuro.

Engana-se quem pensa que ele use máscara ou fantasia. O que ele usa é uma armadura. Todos os seus poderes estão nela. E faz questão de que todos saibam quem está por trás dela (pelo menos na versão cinematográfica).

Portanto, não há aquela neurose própria de super-heróis para preservar seu segredo a qualquer preço. Confesso que nunca entendi muito bem as razões pelas quais a maioria deles precisava se esconder. E mais incrível ainda para mim era a maneira como se disfarçavam. O Super-Homem, por exemplo, mantinha sua identidade secreta atrás dos óculos (se bem que os óculos daquela época eram bem grandes!). Não sei como cabia aquela enorma capa vermelha dentro de sua roupa civil. De repente, Clark Kent sumia, entrava numa cabine telefônica, rasgava a camisa e saía voando.

– É um pássaro!

- Não! É um avião!

- Também não! É o superman!

E a Mulher Maravilha? Era só dá uma rodada, tirar os óculos, soltar os cabelos, e pronto. Lá vai ela com seu laço mágico em seu avião invisível.

Será que ninguém era capaz de reconhecê-los simplesmente olhando em seus olhos?

Os olhos revelam muita coisa. Uma olhada é capaz de desvendar o que subjaz no recôndito da alma humana.

E o Hulk? Haja dinheiro pra comprar tanta roupa. Quando se via ameaçado de ter sua identidade revelada, saía de fininho em busca de outro lugar pra ficar, sempre ao som daquela musiquinha triste. Alguém aí se lembra disso?

Com o Homem de Ferro é diferente. Não há cabines telefônicas, nem alguma criptonita que o torne vulnerável. Jamais se sente ameaçado de ser descoberto, simplesmente porque não tem o que esconder. Ele é o que é.

Por isso me identifico tanto com este herói.

Semelhantemente, somos chamados por Deus a viver com o rosto descoberto, na liberdade do Espírito. A igreja deve provê aos seus membros um ambiente onde impere a graça, e não o preconceito. Ela não pode ser uma espécie de armário onde as pessoas escondam seu verdadeiro eu, tampouco os cultos devem ser um baile de máscaras.

Geralmente, quem mais julga os outros é quem mais tem o que esconder. Julgar e condenar terceiros é uma maneira de preservar sua própria identidade secreta. Porém, sempre fica um rastro… Basta as pessoas serem um pouco mais observadoras, e verão com quem estão lidando. O problema é que nem sempre se quer ver. Há sempre uma Lois Lane predisposta a se render à fantasia do outro, fazendo vista grossa aos indícios. Um dia alguém descobre a batcaverna, e aí, meu camarada… a casa cai.

Se a igreja fosse uma comunidade terapêutica onde todos se percebessem como pecadores carentes da graça, não haveria lugar para juízo, muito menos para hipocrisia.

Não temos superpoderes. Como o Homem de Ferro, nosso poder está na armadura. Por isso somos instados a nos revestirmos de toda a armadura de Deus, cujas peças estão listadas em Efésios 6.

Assim como Tony Stark, que recebeu uma espécie da marca-passo que o mantém vivo depois de ter sobrevivido à explosão de uma bomba em um teste mal sucedido de uma de suas armas, também recebemos um novo coração que nos possibilita nutrir os mesmos sentimentos que houve em Cristo Jesus.

É por essas e outras, que o Homem de Ferro segue sendo um dos meus heróis favoritos.

5 comentários:

  1. Cara gostei demais deste post! Eu também sou fã de quadrinhos da Marvel e do Homem de Ferro, e também fui ao cinema com minha filha assistir o fime. Essa imagem que você usou, eu a vetorizei algum tempo atrás só por diversão, se quiser pode conferir no meu blog de desenhos:
    http://desenhosevetores.blogspot.com/2009/09/iron-man.html
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. annapaulamendes5:03 PM

    Ameeeeeeiii!!! ABAIXO as máscaras! Tem coisa melhor do que poder ser expontâneo, natural, verdadeiro?... Claro, respeitando o limite do outro. Ainda não vi o filme, mas agora até fiquei animada!
    Parabéns, querido, por esta crônica. Posso publicá-la em meu blog?...
    http://anna-wwwelascom.blogspot.com/
    Abs,
    Anna.

    ResponderExcluir
  3. Eu também fiz um post sobre o filme, tão bom quanto Batman, o cavaleiro das trevas; a meu ver os conflitos dos Tony Stark conseguem ser o atrativo maior do filme sem desmerecer a ação e os efeitos. Muito bem elaborado o seu texto.

    Ah e se você permaneceu até o final dos créditos, como muitos nerds (marmanjões) que tavam lá na estreia - inclusive eu, você viu a cena da continuação.

    ResponderExcluir
  4. Excelente artigo. A analogia no ponto com o que acontece nas igrejas de hoje.

    Caiu como uma luva este texto, pois em minha congregação tem alguns "super herois". Tem um um super-homem e um Hulk. Como dão trabalho, haja kriptonita para segurar o super e fala bem mansa, para não deixar o outro [verde] nervoso.

    Na frente fazem maravilhas mas quando termina a ação e voltam para suas casas e tiram suas "mascaras"... Deus me livre.

    Mas essa é a Igreja de Cristo, e só será perfeita naquele Dia, quando o Senhor voltar para buscar aqueles que o amam e aguardam Sua vinda!

    ResponderExcluir
  5. Nossa! Artigo excelente. É incrível como a Igreja tem atrofiado seus membros, invés de apresentá-los à liberdade (e não libertinagem) conquistada na cruz. Esquece que a Graça lava com humildade nossos pés, e não nos oprime. Você está certo: a Igreja não pode ser um armário.
    Você conhece Brennan Manning? Livros excelentes contra o impostor que existe em nós e insiste em aparecer. Vale a Pena conferir: "O Obstinado Amor de Deus"; "Evangelo Maltrapilho";"Confiança Cega" etc.

    Deus lhe inspire cada dia mais.

    =)

    - www.tathicomvc.blogspot.com

    ResponderExcluir