quinta-feira, agosto 10, 2006

6

Nossa Dívida com o Futuro
Por Hermes C. Fernandes


“Eu sou devedor tanto a gregos como a bárbaros, tanto a sábios como a ignorantes. De sorte que, quanto está em mim, estou pronto para vos anunciar o evangelho, também a vós que estais em Roma”. Romanos 1:14-15

Paulo, como apóstolo da Graça de Deus, sabia que sua dívida com Deus havia sido quitada na Cruz. Entretanto, ele reconhece uma nova dívida, contraída no momento em que o Senhor o salvou e o constituiu “apóstolo” aos gentios.

Todos tínhamos uma dívida com o passado, e agora, temos uma dívida com o futuro.
Tínhamos uma dívida com Deus, e agora, temos uma dívida com o mundo.

De onde veio essa consciência de Paulo?

Ele mesmo responde:

“Sou grato para com aquele que me fortaleceu, Cristo Jesus, nosso Senhor, que me considerou fiel, designando-me para o ministério, a mim, que, noutro tempo, era blasfemo, e perseguidor, e insolente. Mas obtive misericórdia, pois o fiz na ignorância, na incredulidade. Transbordou, porém, a graça de nosso Senhor com a fé e o amor que há em Cristo Jesus. Fiel é a palavra e digna de toda aceitação: que Cristo Jesus veio ao mundo para salvar os pecadores, dos quais eu sou o principal. Mas, por esta mesma razão, me foi concedida misericórdia, para que, em mim, o principal, evidenciasse Jesus Cristo a sua completa longanimidade, e servisse eu de modelo a quantos hão de crer nele para a vida eterna” (1 Timóteo 1:12-16).

Paulo sabia que o Senhor o escolhera e salvara para que seu testemunho servisse de modelo à todos quanto fossem alcançados pelo Evangelho. Pregar o Evangelho não era algo facultativo, mas uma obrigação.

“Se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois sobre mim pesa essa obrigação; porque ai de mim se não pregar o evangelho! Se o faço de livre vontade, tenho galardão; mas, se constrangido, é, então, a responsabilidade de despenseiro que me está confiada. Nesse caso, qual é o meu galardão? É que, evangelizando, proponha, de graça, o evangelho, para não me valer do direito que ele me dá" (1 Coríntios 9:16-23).

Não importava o preço que teria que ser pago, Paulo estava disposto a tudo para cumprir sua missão. Nem mesmo sua vida era tida por valiosa, em comparação à sua missão.

“Mas em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus” (At.20:24).

Apesar de ser uma “obrigação”, Paulo cumpria com “alegria” o seu ministério. Não era apenas uma obrigação, mas uma “graça”, um privilégio.

“Fui feito ministro deste evangelho, segundo o dom da graça de Deus, que me foi dado segundo a operação do seu poder. A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas insondáveis de Cristo” (Efésios 3:7-8).

Tal sentimento deveria pulsar no coração de cada cristão. Somos todos devedores, e não temos alternativa, senão, anunciarmos o Evangelho indistintamente.

O que ocorre quando não cumprimos nosso dever de evangelizar o Mundo?

“Certa mulher, das mulheres dos discípulos dos profetas, clamou a Eliseu, dizendo: Meu marido, teu servo, morreu; e tu sabes que ele temia ao SENHOR. É chegado o credor para levar os meus dois filhos para lhe serem escravos. Eliseu lhe perguntou: Que te hei de fazer? Dize-me que é o que tens em casa. Ela respondeu: Tua serva não tem nada em casa, senão uma botija de azeite. Então, disse ele: Vai, pede emprestadas vasilhas a todos os teus vizinhos; vasilhas vazias, não poucas. Então, entra, e fecha a porta sobre ti e sobre teus filhos, e deita o teu azeite em todas aquelas vasilhas; põe à parte a que estiver cheia. Partiu, pois, dele e fechou a porta sobre si e sobre seus filhos; estes lhe chegavam as vasilhas, e ela as enchia. Cheias as vasilhas, disse ela a um dos filhos: Chega-me, aqui, mais uma vasilha. Mas ele respondeu: Não há mais vasilha nenhuma. E o azeite parou. Então, foi ela e fez saber ao homem de Deus; ele disse: Vai, vende o azeite e paga a tua dívida; e, tu e teus filhos, vivei do resto” (2 Reis 4:1-7).

Aquele “discípulo dos profetas” morrera, mas deixara uma dívida para a sua família. E seus credores queriam nada mais nada menos que os seus filhos, como pagamento da dívida.

Assim também, quando não pagamos nossa dívida com o mundo, muitas vezes, nossos filhos são tomados como pagamento.

Por que há tantos filhos de crentes desviados?

Não adianta sermos discípulos de um grande profeta, ou apenas temermos ao Senhor. Não sabemos quando deixaremos este mundo, e por isso, urge gastarmos cada momento de nossa vida, no cumprimento de nossa missão. Não podemos deixar uma dívida para trás, para que nossos filhos sejam dados como pagamento.

Gerações inteiras de crentes deixaram este mundo sem cumprir cabalmente sua missão.
Estamos pagando pela dívida que estas gerações nos deixaram.

Por que o mundo está tão violento? Por que tantas guerras? Tanta fome?

A Igreja tem sido negligente em sua missão. Desde que surgiu o boato de que Cristo estaria prestes a voltar, e que Seu retorno resultaria no fim do mundo, a Igreja cruzou os braços, e entregou o mundo às baratas. E o pior é que esse “boato” se tornou doutrina

Eliseu perguntou àquela mullher o que ela tinha em sua casa. Uma botija de óleo, era tudo que ela possuía. Aos olhos do profeta, aquilo seria o ponto de partida.

Cremos que Deus pretende restaurar o Mundo. Mas qual será o ponto de partida desta restauração? Aquilo que temos em casa: nossos filhos, nossa família.

Nossa família é nossa botija de óleo. Nossos filhos são nossa contribuição particular para um mundo melhor.

Mas não podemos parar aí. Ela é o ponto de partida, mas não é a linha de chegada.

Eliseu mandou que aquela mulher fosse aos vizinhos, e recolhesse o maior número possível de vasilhas vazias. E o que ela fez? Enviou os seus filhos.

Precisamos conscientizar nossos filhos de que eles são nossos “enviados especiais”, nossos missionários, nossa extensão.

São eles que vão buscar “vasilhas” na escola, na faculdade, na vizinhança, na parentela.

Tragas as vasilhas, seguindo à orientação do profeta, ela fechou a porta sobre si e seus filhos, e começou aencher as vasilhas, com o óleo que havia em sua pequena botija.

À medida que as vasilhas eram cheias, ela as separava das demais. Esse é o processo de santificação. O Espírito Santo enche e separa.

A Igreja deve ser constantemente enviada ao mundo, mas jamais pode negligenciar a santificação. As vasilhas chegam vazias, são cheias e depois, separadas.

“Fechar a porta” também aponta para a importância do culto familiar, do Altar Doméstico.

Enquanto havia vasilhas vazias, o óleo não parava de jorrar. Mas quando as vasilhas acabaram, o óleo cessou.

“Fechar as portas” oferece benefícios e riscos. Devemos fechá-las, mas não trancá-las. Não podemos impedir o fluxo de novas vasilhas. Se elas pararem de chegar, o óleo vai parar de fluir.

Não há limites para Deus. Há óleo suficiente para encher todas as vasilhas do Mundo!


Nossa dívida para com as próximas gerações

Se, de alguma maneira, as gerações anteriores nos deixaram uma dívida, não podemos fazer o mesmo às gerações que nos sucederão.

Tudo o que Deus está fazendo em nossos dias, não visa apenas o nosso aprazimento, mas também o benefício das próximas gerações.

“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossos delitos, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele, e nos fez assentar nas regiões celestiais, em Cristo Jesus, para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça” (Efésios 2:4-7a).

Tudo o que Deus tem realizado em nossa geração, é um recado às gerações vindouras. A cada nova geração, um maior número de pessoas deve converter-se ao Senhor. E isso se dará pela pregação do Evangelho, e pelo testemunho das gerações anteriores.

Salmos 22:27-31 - “Todos os confins da terra se lembrarão, e se converterão ao Senhor; todas as famílias das nações adorarão perante ele, pois o reino é do Senhor, e ele domina entre as nações (...) A posteridade o servirá; falar-se-á do Senhor às gerações futuras. Proclamarão a sua retidão ao povo que há de nascer, pois ele o fez”.

Salmos 102:18 – “Escreva-se isto para a geração futura, e o povo que está por vir louve ao Senhor”.

Salmos 145:4 – “Uma geração louvará as tuas obras a outra geração; anunciarão as tuas proezas”.

Chega dessa paranóia de que somos a geração X, a que presenciará o arrebatamento. Tal perspectiva nos priva de uma visão mais otimista do futuro da humanidade. Que sejamos a geração que tomará consciência de suas obrigações para com as gerações futuras, e fará alguma coisa, para preparar-lhes o caminho.

6 comentários:

  1. Vou colocar um link do seu blog lá no meu. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Iran Werneck5:11 PM

    Sinto muitas saudades de ter alimentos como esse em meu coração todas as segundas. Só Deus sabe até que ponto meu coração é verdadeiro. Te amo muito!

    ResponderExcluir
  3. Anônimo1:02 PM

    Meu Prezado amigo Hermes Fernandes, você está de Parabéns, o seu blog é nota 10, que material riquissímo o irmão tem no seu Blog!

    Um Abração do seu amigo em Cristo - Maleski

    ResponderExcluir
  4. Anônimo1:16 PM

    MUITO BOM EU GOSTEI MUITO DO SIG PLEROMA
    MAURO

    ResponderExcluir
  5. Anônimo1:16 PM

    MUITO BOM EU GOSTEI MUITO DO SIG PLEROMA
    MAURO

    ResponderExcluir
  6. Excelente é o mínimo que posso dizer de seu blog. Cada vez mais rico e com assuntos pertinentes.
    Continue sempre assim!!

    ResponderExcluir