sexta-feira, maio 19, 2017

9

A Operação Patmos, Silas Malafaia e o Apocalipse Tupiniquim


Por Hermes C. Fernandes

Fujam para os montes! Abriram a Caixa de Pandora! A última operação da PF não poderia ter recebido um nome mais sugestivo do que “Patmos”, numa referência à ilha mediterrânea onde o apóstolo João recebeu as revelações narradas no livro de Apocalipse. A operação foi deflagrada a partir da delação dos donos do JBS, maior grupo de produção de proteína animal do mundo. Além de expor um pedido de propina de Aécio Neves no valor de R$ 2 milhões para pagar sua defesa na Lava Jato, também revelou o presidente Michel Temer dando aval para a compra do silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha.

“Nada há oculto que não seja revelado”, teria dito Jesus certa feita. E de fato, “Apocalipse” é um termo grego traduzido por “revelação”.

O livro mais temido da Bíblia recorre a imagens grotescas como a de bestas que emergem do abismo para assolar os homens, numa referência cifrada ao império romano.

A operação Patmos expôs mais uma vez as entranhas da besta da corrupção, prenunciando o que pode vir a ser o “fim dos tempos” da era Temer e companhia.

Dentre os fatos estarrecedores, tomamos ciência de que Eduardo Cunha, deputado federal pelo RJ, estaria recebendo uma mesada de 500 mil reais semanais que deveria se estender por vinte anos para manter o silêncio. Isso totalizaria 480 milhões (quase meio bilhão de reais!). Mesmo atrás das grades, o parlamentar que se notabilizou entre os evangélicos com o bordão “porque o nosso povo merece respeito!”, segue sua vexatória trajetória de corrupção. E pensar que houve tempo em que a cabeça de um profeta valia mais do que a metade de um reino.[1] Hoje, o silêncio de um pateta vale mais que uma república inteira.

Se a operação Patmos revelou as bestas do nosso próprio Apocalipse tupiniquim, resta revelar os falsos profetas que a apoiaram. Como toda besta que se preze, as nossas também buscam se respaldar em seus profetas de estimação, capazes de atribuir-lhes a alcunha de "Ungidos do Senhor".  Trata-se de homens vendidos que há muito perderam seu temor a Deus, cortejando despudoradamente quem quer que esteja no poder.

De acordo com a reportagem da Folha, o pastor Silas Malafaia teve seu nome citado na delação premiada de Francisco de Assis e Sila, que defende o grupo dos irmãos Joesley, donos da JBS, e de Wesley Batista. Silva afirmou que Malafaia teria recorrido a Willer Tomaz, outro advogado da JBS, solicitando um encontro com um juiz, com a intenção de estreitar relações com o magistrado após ter sido alvo de condução coercitiva em dezembro. Dois meses depois, Malafaia foi indiciado pela Polícia Federal sob suspeita de haver ajudado suposta organização criminosa a lavar dinheiro. Ele teria recebido a quantia de R$ 100 mil depositados em sua conta pessoal. Mesmo alegando tratar-se de uma oferta, o líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo procurou travar aproximação do poder judiciário, precavendo-se de futuros problemas com a justiça dos homens. Ainda que seja comprovada sua inocência, não pega nada bem para quem se apresenta como paladino da moral e da ética cristãs.

Seria como se Jesus recorresse a Pilatos na calada da noite para garantir que não seria crucificado. O mestre galileu jamais foi afeito a este tipo de postura antiética. Ele preferia tudo às claras, sem rabo preso com quem quer fosse.

É melhor a turma colocar mesmo as barbas de molho... A história se repete: não vai ficar pedra sobre pedra.

Faço votos que um novo Brasil emerja das cinzas deste “apocalipse”, e que se levantem líderes idôneos, profetas sem papas na língua, comprometidos com a justiça e o bem comum e não com agendas megalomaníacas e projetos faraônicos de poder.





[1] João Batista, conhecido por não ter papas na língua, foi decapitado a pedido da enteada do rei Herodes, que preferiu sua morte à metade do seu reino, como lhe foi oferecido por seu padrasto. 

9 comentários:

  1. Alarga o escopo: em vez de era Temer, pode colocar história do Brasil. Com o gráfico ministrando picos de corrupção na última década.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo1:17 PM

      Ele não pode fazer isso, a ideologia não deixa, ele tem que colocar a conta toda no Temer, no Malafaia "lavando" 100 mil, os Bilhões que o Luladrão deu do nossa dinheiro via BNDS pra fazer a JBS uma "campeã" nacional, bem como os bilhões que a JBS deu ao PT/Lula/ Dilma em troca ele tem que omitir.

      Excluir
  2. Anônimo12:00 AM

    Hermes, das duas uma, ou você só viu as notícias sobre essa operação pelo "PIG" (Rs) ou você sabe todo o conteúdo da mesma e omitiu propositalmente pra defender os bandidos de estimação vermelha Lula/Dilma e cia... rs De qualquer maneira, ainda dá tempo de apagar, se não apagar não vai ter mais como criticar a mesma bem como os irmãos da Friboi por terem entregado a cumpanheirada toda. Se fosse você deixava, e escrevia um texto deixando claro que você não tem bandido de estimação, acho que li por cima um post do Ariovaldo (não dou mais atenção pro conteúdo que ele escreve depois de entender que ele defendia a ideologia vermelha e os bandidos de estimação da mesma) e parece que até ele jogou a toalha, o limite de vergonha na cara dele acho que chegou ao fim, talvez você devesse fazer o mesmo, confirma lá no perfil dele, e se eu não entendi errado, crie vergonha você também. TENSO! rs

    ResponderExcluir
  3. Anônimo2:50 AM

    Será que o Hermes sabe que o "Temer e cia" ali inclui a cumpanheirada toda? Fiquei na dúvida, porque se soubesse acredito que não teria escrito esse texto, ou enfim ele deixou de ser um zumbi vermelho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo9:52 PM

      Realmente, o Hermes não deve ter visto esse gráfico:

      https://www.facebook.com/ascontradicoesdaesquerda/posts/665561193635700?ref=notif&notif_t=notify_me_page&notif_id=1495238447964464

      E se viu, jamais escreverá um texto sobre ele por questões ideológicas que são colocadas acima da ética e da moral no campo da esquerda.

      Excluir
    2. Anônimo10:22 PM

      E olha que ainda está na ponta do Iceberg no que diz respeito ao BNDSlão, e ainda falta os fundos de pensão. Os funcionários dos Correios por exemplo tendo que pagar 15 ou 20% do salário pra cobrir o roubo que o PT fez no Postalis e os sindicatos, os funcionários... com o rabinho no meio das pernas pagando, e o Hermes por exemplo não fez um textinho sequer, pelo contrário, ainda passa vergonha defendendo a quadrilha de estimação. E ainda eles tem a petulância de te chamam de golpista, fascista, nazista, ciclista... tenso demais.

      Excluir
  4. Anônimo3:01 AM

    Toda a loucura da esquerda brasileira numa só imagem:

    Na delação da JBS os irmãos Batistas delataram que o Lula/PT pediram propina pra comprarem votos contra o impedimento da Dilma, vejam como a esquerda "democratiza" essa informação:

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10158713935875652&set=a.10150284334780652.496743.839940651&type=3&theater

    TENSO, esse cara é "formardor" de opinião, entenderam porque o Lula/PT chegaram no poder e nos enganaram por mais de 13 anos, e ainda enganam muitos? SOCORROOOOOOOOOOOOO

    ResponderExcluir
  5. Anônimo6:55 PM

    "Tem gente que, ainda, não entendeu o esquema.
    Os empresários não pagavam ninguém, do próprio bolso. Eram, apenas, usados como "laranjas". O governo liberava BILHÕES, através do BNDES, e eles distribuíam a propina, como mandava o chefão, embolsando, para isso, uma porcentagem.
    Assim, Lula criou a farsa dos "mega-empresários", amigos do "presidente do povo" e, ainda, blindou-se contra qualquer investigação superficial.
    Para olhos desatentos, era, apenas, mais um esquema de pagamento de propina, entre empresários e políticos (coisa comum, no Brasil). Porém, a verdade é que um GOLPE DE ESTADO estava em curso. Empresários de fachada (JBS), eram peças de uma engrenagem macabra, que desviava o erário público e revertia-o para compra de apoio, caixa partidário e, claro, enriquecimento dos "cabeças". Afinal, socialismo é só para o povão.
    Quem duvidar, pode, apenas, procurar quem eram os irmãos Batista, antes do governo Lula, e "admirar" a ascensão METEÓRICA do grupo JBS, bem como aconteceu com o Eike, outro "amigo do rei".
    No Brasil, não precisamos de teorias da conspiração. A realidade é mais complexa, mais surpreendente e mais perigosa do que qualquer ficção.
    O BRASIL NÃO É PARA AMADORES." - Felipe Fiamenghi

    ResponderExcluir
  6. Bispo a simplicidade é a mais eficaz arma para fugir desse tipo de comprometimento, talvez líderes se colocam acima de todos e acabam assim, estou te assistindo nas boas novas e estou gostando ,meu wats app e 21 986658206 paz

    ResponderExcluir