quinta-feira, fevereiro 25, 2016

17

A Igreja "Under The Dome"




Por Hermes C. Fernandes


Under the Dome é uma série americana de ficção científicamistério e terror, desenvolvida por Brian K. Vaughan e baseada no romance homônimo ("Sob a Redoma", no Brasil) de Stephen King, tem a produção de ninguém menos que Steven Spielberg .

Ambientada em um futuro próximo, Under the Dome conta a história dos moradores da pequena cidade de Chester's Mill, que, de repente, se encontram isolados do resto do mundo por uma misteriosa barreira impenetrável que rodeia a cidade. Como a cidade começa a se desfazer através de pânico, um pequeno grupo de pessoas tenta manter a paz e a ordem ao mesmo tempo, tentando descobrir a verdade por trás da barreira e como escapar dela. Considerando a série uma das melhores desde o fim de Lost, não pude evitar enxergar em seu roteiro uma parábola da situação da igreja em nossos dias. Transcrevo abaixo um texto que escrevi anos atrás que retrata esta condição dramática em que vivemos.

Rompendo a redoma da igreja


“Mas os que andavam dispersos iam por toda a parte anunciando a palavra.” Atos 8:4


Um organismo precisa respirar para continuar vivo. A respiração é um movimento de mão dupla. Inspiramos e expiramos. O ar entra por nossas narinas, atravessa nossa traqueia, e enche nossos pulmões, para depois ser devolvido à atmosfera. Tente manter o ar preso em seus pulmões por alguns segundos. Você vai ficando vermelho, seus olhos começam a lacrimejar, até que você não aguenta mais e solta o ar.

Não é simplesmente do ar que necessitamos, mas da entrada e saída ininterrupta deste ar. Sem ar pra respirar, morremos. E prendendo o mesmo ar dentro de nós, também morremos.

A igreja de Cristo é um organismo vivo que também necessita respirar. Em Seu discurso de despedida, Jesus garantiu aos Seus discípulos que lhes enviaria o Espírito Santo a fim de fossem capacitados sobrenaturalmente a dar testemunho do Evangelho:
“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra.” Atos 1:8
A palavra traduzida neste texto por ‘poder’ é dinamus, que dá origem a alguns vocábulos em português, como dinamismodinâmica e até dinamite. Dinamus significa poder em movimento. O Espírito Santo não apenas capacitaria os discípulos a testemunhar, como também os levaria a lugares e circunstâncias jamais imaginadas por eles, para que cumprissem a sua missão.

O mesmo Espírito que nos atrai a Cristo e nos transforma, também nos envia ao mundo.

Narrando sua experiência de conversão perante o rei Agripa, Paulo diz que Jesus se lhe apareceu, dizendo: “Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Agora levanta-te e põe-te em pé. Eu te apareci por isto, para te fazer ministro e testemunha tanto das coisas que tens visto como daquelas pelas quais te aparecerei ainda. Eu te livrarei deste povo, e dos gentios, a quem agora te envio, para lhes abrir os olhos, e das trevas os converter à luz...” (At.26:15b-18a). Observe que a comissão de Paulo se deu no exato momento de sua conversão.

O dinamus do Espírito exerce na igreja uma força centrípeta e centrífuga. Ele atrai, transforma e imediatamente envia. Não há intervalo! Todos os que são chamados, são também enviados.

Quando o endemoninhado gadareno se viu livre de sua possessão, quis deixar tudo para seguir a Jesus, mas recebeu d’Ele outra ordem: “Volta para casa e conta quão grandes coisas Deus fez por ti” (Lc.8:39a).

No reino de Deus tudo é muito prático. Porém, quando a igreja se institucionalizou, tratou de burocratizar o que antes era promovido pela dinâmica do Espírito. Quanto tempo de preparo precisou a mulher samaritana para atrair toda uma cidade a Cristo? Foi só o tempo de deixar seu cântaro, ir à cidade e anunciar ao seu povo: “Vinde, vede um homem que me disse tudo o que tenho feito. Poderia ser este o Cristo?” (Jo.4:29). Mesmo sabendo que Jesus era o Cristo, ela preferiu instigar aquele povo à curiosidade. Em vez de apresentar uma contundente resposta, ela instigou-os a questionar. E aqui nos deparamos com uma importante questão: será que para testemunhar do amor de Cristo temos que esperar até que todas as nossas questões sejam respondidas?

Precisamos desburocratizar e dinamizar o processo de evangelização com urgência. Ninguém necessita de um mestrado em teologia para anunciar aos seus amigos e familiares quão grandes coisas fez o Senhor em sua vida.

Não temos o direito de impedir o trânsito pelas portas do reino de Deus. Muitos agem como os fariseus e religiosos contemporâneos de Jesus, que se punham à porta, não entravam e não deixavam ninguém entrar. E quando alguém demonstra desejo de sair testemunhando do amor de Deus, tratam de jogar-lhe um balde de água fria. A estes, diz o Senhor: “Mas ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Fechais o reino dos céus aos homens. Vós mesmos não entrais, nem deixais entrar aos que estão entrando” (Mt.23:13).

Temos que manter o trânsito livre, e para isso, o caminho tem que está desobstruído. Veja o que Jesus disse sobre isso:
“Eu sou a porta. Todo aquele que entrar por mim, salvar-se-á. Entrará e sairá, e achará pastagens” João 10:9
Há um detalhe neste verso que tem passado despercebido. O caminho para o Reino é uma via de mão dupla. Quem entra, tem que sair. E o mais surpreendente é que só depois de sair que se acha pastagens. As pastagens não estão do lado de dentro da cidade, mas lá fora, entre os vales e montanhas da realidade social e cultural na qual peregrinamos.

Muitos acham que vão encontrar tais pastagens do lado de dentro da igreja. Por isso, entram, e não querem mais sair. Ficam viciados em igreja. Assim como ar que respiramos tem que ser devolvido à atmosfera, temos que devolver ao mundo as pessoas que entram na igreja. Por favor, não se escandalize ainda. Continue sua leitura, e veja se o que digo não faz sentido.

Qualquer espiritualidade que não nos devolva à realidade é maléfica e alucinógena. Se não concorda comigo, tente concordar com Cristo, que em Sua prece sacerdotal, rogou ao Pai:
“Não peço que os tires do mundo, mas que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como eu do mundo não sou. Santifica-os na verdade, a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.” João 17:15-18
Não se trata de uma questão facultativa. Fomos chamados, santificados e enviados ao mundo. Os pés formosos de que diz a Escritura, são os que estão enlameados pelo chão da vida. Cuidado para não confundir santificação com alienação.

A igreja não pode ser uma redoma para os seus membros. Ela tem que ser um liquidificador. Experimente colocar várias frutas em seu liquidificador. Ao ligá-lo, elas serão processadas e se tornarão numa deliciosa vitamina. A hélice do eletrodoméstico exerce a força centrípeta e centrífuga. Ela atrai as frutas para si, processando-as ao mesmo tempo em que as empurra para fora. É isso que o Espírito Santo almeja fazer na igreja.

O mesmo Cristo que diz ‘vinde’, também diz ‘ide’. E não há intervalo. A gente já vem indo, e já vai vindo. Em vez de despendermos energia e dinheiro numa mirabolante estratégia de evangelismo (ou seria de marketing?), que tal abrir a porteira do aprisco, permitindo que as pessoas transitem normalmente pelo mundo, testemunhando o que Deus fizera em suas vidas? Haveria estratégia melhor e mais eficiente do que esta? Elas não precisam esperar por um "ide" personalizado, vindo direto dos lábios de Cristo para elas. Não!

A bem da verdade, todos que viemos a Ele, já fomos liberados por Ele para ir. Já estamos no Caminho, indo e vindo no constante fluxo e refluxo da vida.

No texto original, Jesus não disse "ide", num tom imperativo, mas disse "indo", numa espécie de gerúndio existencial. O texto diz: "Indo por todo mundo, pregai o evangelho...". Queiramos ou não, já estamos na chuva, e quem está na chuva é pra se molhar.

vinde é personalizado, mas o ide (ou indo) é generalizado.

Alguém poderá perguntar: E quanto aos riscos? Como enviar ao mundo pessoas despreparadas para testemunhar? Não seria melhor segurá-las o máximo de tempo possível, até que se vejam prontas? Concordo. O risco não pode ser ignorado. Porém, vale a pena corrê-lo.

Jesus não ignorou os riscos ao enviar Seus discípulos ao mundo. Confira o que Ele diz:
“Ide. Eu vos envio como cordeiros ao meio de lobos” (Lc.10:3). Neste texto em particular, o ide foi imperativo. O que atenua os riscos é o fato de que o pastor das ovelhas vai à frente do seu rebanho.
“Mas aquele que entra pela porta é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre, as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as leva para fora. Quando tira para fora todas as ovelhas que lhe pertencem, vai adiante delas, e elas o seguem, porque conhecem a sua voz. Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não reconhecem a voz dos estranhos.” João 10:2-5
Será lá fora, no mundão, que as ovelhas de Jesus terão suas maiores experiências com Ele. O mundo será o cenário por onde Ele as conduzirá aos pastos verdejantes, às águas tranqüilas. E mesmo quando passarem pelo vale da sombra da morte, não terão o que temer, pois Seu cajado e Sua vara as protegerão.

O que a igreja deveria fazer é procurar levar as pessoas a uma intimidade tal com o Bom Pastor, que elas jamais confundam Sua voz com a voz do estranho. Em outras palavras, temos que aprender a discernir a voz de Deus no mundo. Seja no ambiente profissional, acadêmico, familiar, ou mesmo nos corredores do poder político, será a Sua voz que guiará a nossa consciência, e, por conseguinte, as nossas atitudes. Portanto, já está na hora de liberarmos as ovelhas do Senhor para que cumpram sua missão de transformação do mundo.

Abramos a porteira, e deixemos o trânsito livre, pra que entrem e saiam, e assim, encontrem pastagem para as suas almas. Não há motivo para insegurança. Quem de fato é do Senhor, jamais abandonará seu redil.

17 comentários:

  1. Texto excelente! Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Barbosa4:30 PM

    Meu Irmão amado e Cristo Hermes,DEUS seja com o irmão!
    Mais uma vez o irmão nos proporcionou um belo texto.
    Meu irmão,Jesus Cristo de Nazaré conhece as suas ovelhas e elas o seguem,e vão ter que seguir pois não há outra saída,outro caminho a não ser por Jesus.
    ELE É A ÚNICA PORTA QUE LEVA O PECADOR A VIDA ETERNA.
    EU SOU O BOM PASTOR.
    Jesus Cristo declara que Ele é o bom Pastor prometido nas profecias ver Salmos 23.1;
    Isáias 40.1; Ezequiel 34.23; e 37.24.
    Esta metáfora de Jesus como bom Pastor ilustra o cuidado terno e devotado que Ele tem por seu povo. É como se Jesus dissesse: "Eu sou,para com todos aqueles que crêem em mim,o que um bom pastor é para as suas ovelhas o seu povo;sendo Cuidadoso,vigilante e amoroso".
    A característica de Jesus como Bom Pastor é que Ele morreu por suas ovelhas. É isso que,de modo ímpar,ressalta a Jesus como Pastor. É a morte de Jesus na cruz que salva suas ovelhas; ver Isáias 53.12; Mateus 20.28; Marcos 10.45; Hebreus 13.20, é chamado o "GRANDE PASTOR,O SUMO PASTOR"; ver I Pedro 5.4.
    O ministro do evangelho que ocupa esta posição apenas como meio de vida,ou de obter honrarias,é o "mercenário" referido nos versículos 12,13 de João 10. O Verdadeiro pastor cuida de suas ovelhas. O falso pastor os homens pensam em primeiro lugar em si mesmos e na sua posição diante dos homens.
    AS MINHAS OVELHAS OUVEM A MINHA VOZ,E EU CONHEÇO-AS,E ELAS ME SEGUEM.
    Aqueles que realmente são ovelhas de Jesus obedecem à sua voz e o seguem;então em comunhão constante com o Pastor. "ouvir" e "seguir" estão no tempo presente,denotado atividade habitual. O Pastor dá vida eterna aos que o seguem. Aqueles que se desgarram do Pastor e se recusam ouvir a sua voz e segui-lo,demonstram que não são suas ovelhas; ver João 15.1,6. Este sumo Pastor é: O nosso Senhor Jesus Cristo de Nazaré.
    QUEM SEGUI JESUS NUNCA HÃO DE PERECER.
    Aqui temos uma preciosa promessa dada a todos que são ovelhas de Cristo. Nunca perecerão,e nunca serão eternamente banidos da presença,nem do amor de DEUS.
    E nenhum poder nem circunstância neste mundo os separará do seu Pastor divino Jesus Cristo; ver Romanos 8.35,39.
    Há,com certeza,segurança e proteção,até mesmo para as ovelhas o povo de DEUS mais fracos,se seguirem e ouvirem o Bom Pastor JESUS CRISTO O SANTO DE NAZARÉ.
    Irmão HERMES,Deus te abençõe ricamente com todas sorte de bençãos celestiais em Cristo Jesus,na sua vida e de sua família.
    Louvo a DEUS por sua Vida!

    ResponderExcluir
  3. O que vejo muito hoje em dia é que por medo de respirar um pouco de gás carbônico, a igreja institucional prefere mais expirar do que inspirar e renovar seus pulmões...

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  4. É irmão, o caminho tem que estar desobstruido.
    Sair e não ficar só dentro dos famosos ditos arraiais, parar de pregar só pra crente e ir em busca dos perdidos. Paz querido!

    ResponderExcluir
  5. A paz do Senhor,

    Hermes, realmente essa é uma realidade viva em muitas igrejas. Somos chamados, o evangelho nos é pregado, aceitamos o convite e no momento de compartilhar a bênção com as pessoas nos prendemos nos detalhes.

    Você citou dois casos, o do Gadareno e da mulher samaritana. Eles pregaram o que receberam de Jesus, e isto é o bastante para anunciar "as boas novas". Um foi liberto pelo Cristo e a outra encontrou o Cristo.

    O termo igreja leva dois significados distintos e que tem sentido de mão dupla: Igreja pode ser - "sai pra fora [do mundo]" ou "Sai pra fora [pro mundo conhecer a salvação]".

    Ao invés de atender ao chamado do Mestre, passamos horas e horas planejando evangelismo, planejando cultos evangelisticos, para atrair as pessoas para dentro da igreja, quando a ordem é "vá buscar o que se perdeu".

    Temos a arrogância de pensar que será nossa retórica, nossa técnica, nosso poder de persuasão que fará com que a pessoa aceite Jesus.

    Se pensamos assim, jamais teremos sucesso em nossas pregações, pois é o Espírito Santo que opera a transformação. A nós, nos cabe a missão de pregar, falar de Jesus.

    Quando eu entendo isso fica cada vez mais fácil, sair da igreja, arregaçar as mangas e falar do Cristo. Com fez o Gadareno, como fez a samaritana.

    Que Deus nos ajude a quebrar essa dificuldade em entender que é o próprio Senhor quem vai conosco, e é o próprio Senhor quem nos dá as palavras a serem transmitidas. E é o próprio Senhor quem sara, cura, liberta e transforma o pecador em filho de Deus.

    Que Deus nos abençoe!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Me tornei uma seguidora do seu blog,
    Sou Lauriete, Além de cantar, ser mãe, ser esposa, administro, junto com meu esposo, a nossa produtora fonográfica Praise Records, com sede em Vila Velha-ES, que também produz alguns CDs de outros grandes cantores.
    Agora sou candidata a Deputada Federal, e venho em 1º lugar pedir sua oração e em seguida seu apoio e seu Voto, o meu número é 2010.

    www.lauriete2010.blogspot.com
    visite, seja um seguidor e divulgue nossa web radio.

    ResponderExcluir
  7. Para variar mais um excelente artigo caro irmão Hermes, e preciso destacar que essa posição partindo de um líder cristão só pode ser edificante para o Corpo.

    Realmente precisamos que a igreja seja igreja fora da redoma da instituição, influenciando esse mundo caído.

    Abração!

    Matheus Soares
    http://entendes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Querido irmão, mais um texto maravilhoso que temos o privilégio de receber do Espírito Santo através de você. Quando li, lembrei-me do texto seu da semana passada, “Construindo uma Babel às avessas”. Onde você cita a palavra “igreja” do grego “eklessia” e que significa “os tirados para fora”. O próprio nome já diz tudo, é só o tempo para nos refazer da batalha, e voltarmos para fora, nosso lugar é o campo de batalha, é onde podemos expandir os domínios do Reino de Deus. Nenhum exercito conquista território dentro do quartel.
    Caro Hermes, tomei a liberdade de postar este texto em meu blog, se não aprovar, por favor, me diga.
    Em Cristo:
    Amarildo.

    ResponderExcluir
  9. Obrigado a todos pelos valiosos comentários, que nos ajudam a abrir ainda mais o leque e compreender os desígnios de Deus para o Seu povo.

    Fique à vontade, Amarildo.

    ResponderExcluir
  10. Obrigado, Hermes, pela visita em meu Blog. Retribuo e já o sigo.

    Grande abraço!
    Em Cristo,
    PC.

    ResponderExcluir
  11. Execelente reflexão.

    ps:tb tomei a liberdade de postar em nosso site.

    ResponderExcluir
  12. Anônimo4:26 PM

    A minha Grei não tem preparo para ir a campo infelizmente.

    ResponderExcluir
  13. Missionário Luiz5:25 PM

    Hermes, breve começará as perseguições fatais aos Verdadeiros mensageiros do evangelho original de Cristo e dos apóstolos; os homens fiéis de Jesus Cristo. Isto vai acontecer não tem como reverter!
    Hermes ficai firme, mesmo que lhe possa custar a sua própria vida, siga em frente na pregação do evangelho de Jesus, porque a nossa tribulação, torturas e perseguições que virão na nossa vida por amor a Jesus e sua Palavra, nos dará almas para Cristo e vida eterna.
    O que acontecer, veremos o céu aberto como Estevão viu, e Jesus Cristo a direita de Deus dizendo : "Vinde benditos de meu Pai".
    Meu irmão este versículo de At 26.18 se possível quero falar amém?
    A COMISSÃO DIVINA DO APÓSTOLO PAULO.
    Este versículo é uma declaração típica feita pelo Senhor Jesus daquilo que Jesus quer realizar através da pregação do evangelho aos perdidos.
    1- " Lhes abrireis os olhos".
    Satanás cegou a mente dos perdidos e até mesmo dos cristãos mornos, e cristãos que estão cegos para não verem a realidade da sua condição de perdido e que perecem, e não enxergam a Verdade do evangelho; veja em 2 Co 4.4.
    Somente pregando a Cristo Jesus, e o seu original evangelho no poder do Espírito Santo, seu entendimento será aberto; veja em 2 Co 4.5; Ef 1.18.
    2- "Os convertes....do poder de Satanás a Deus".
    Satanás é o governante deste mundo, e todos que não têm Jesus Cristo e não o convidou para entrar em sua vida, em seu coração como único e suficiente salvador estão sujeitos ao controle de Satanás e escravizados pelo seu poder.
    O espírito de Satanás age em todos os pecadores, e cristãos que estão brincando com o evangelho, ou seja: " nos filhos da desobediência"; veja em Ef 2.2.
    A proclamação do evangelho, no poder do Espírito Santo, libertará homens e mulheres do poder de Satanás e os colocará no reino de Cristo; veja em Cl 1.13; I Pe 2.9.
    3- " A fim de que recebam a remissão dos pecados".
    O perdão de Deus vem mediante a fé em Cristo, firmada nos méritos da sua morte sacrificial na cruz.
    4- " Santificados pela fé em mim" "EU Jesus Cristo o Nazareno".
    Aquele que é perdoado, liberto do domínio do pecado e de Satanás, e batizado no Espírito Santo, está separado do mundo e agora vive para Deus, na comunhão com todos os demais salvos pela fé em Jesus Cristo o Rei dos reis, Senhor dos senhores, onde um dia, que breve, muito em breve virá, e todos os joelhos se dobraram diante de Jesus e confessaram que ele é o Senhor da glória.

    ResponderExcluir
  14. Olá, Hermes!
    Gostei muito do seu texto.
    Há tempos não leio nada tão coerente, bíblico, lúcido e libertador.
    Fui muito edificada.
    Paz!

    P.S. Se possível, gostaria de compartilhar seu texto em meu blog. Peço sua permissão.

    ResponderExcluir
  15. Olá, Hermes!
    Gostei do texto.
    Há tempos que não leio nada tão lúcido, bíblico, libertador e relevante.
    Se possível, gostaria de compartilhar em meu blog.
    Paz!

    ResponderExcluir
  16. Olá, Patrícia!

    Sinta-se a vontade!
    Você é sempre bem-vinda aqui.
    Obrigado pelo incentivo.

    Hermes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito grata pela permissão.
      Um abraço.

      Excluir