domingo, setembro 20, 2009

7

Trair e coçar...



Esta cena foi uma das que mais me marcaram entre todos os filmes que já assisti. Trata-se do momento em que William Wallace, protagonista de Coração Valente, descobre que aquele contra quem ele está lutando no campo de batalha é o mesmo pelo qual estava arriscando a própria vida.

Esta cena merecia um Oscar para Mel Gibson! O olhar, a maneira como ele engole a seco, a fisionomia expressando completa decepção e desolação. Simplesmente, impagável!

Só quem já foi traído por alguém por quem lutava sabe o quanto dói. É como uma espada traspassando nossa alma. Quando assisti a este filme, confesso que ainda não conhecia de perto este sentimento.

De todas as dores que Jesus experimentou, nenhuma o machucou mais do que a traição. Não apenas a traição de Judas, mas sobretudo a traição do povo para o qual Ele havia vindo ao Mundo. O mesmo povo que na véspera o aclamava na entrada de Jerusalém, agora gritava no pátio de Pilatos: Crucifica-o!

Doeu mais do que os cravos e a coroa de espinhos.

Trair quem luta por nós é trair a nós mesmos. É trair nossas convicções mais profundas, nossa consciência. Nada dói tanto quanto a traição.

E toda a traição é como um bumerangue. Um dia volta contra nós.

O traidor do filme pelo menos cai em si, e se arrepende. Há outros que sequer têm crise de consciência, porque as pessoas que o apóiam parecem indicar que ele está no caminho certo. Suas vozes de aclamação o impedem de enxergar o buraco que cavou, no qual sua própria alma se submergirá.

Não há moedas de prata, não há vantagem financeira ou qualquer tipo de prazer que compensem a dor provocada pela traição. Só quem não tem alma não percebe isso.

Há até quem consiga comemorar a traição como um grande acontecimento.

Lembro de um filme brasileiro estrelado por Darlene Glória, chamado "Perdoe-me por me traíres". Depois de sair traída por diversas vezes, a mulher vai ao encontro do seu marido pedir-lhe perdão. Geralmente, quem pede perdão é quem trai. Mas quando o traidor está com a consciência cauterizada, a melhor coisa a fazer é tomar a iniciativa e pedir-lhe perdão. Quem sabe ele caia em si e perceba o mal que fez e se arrependa.

Não se venda, não negocie com sua alma. Não faça ninguém sofrer. Não decepcione quem depositou tanta confiança em você. A menos que você se sinta preparado para encarar o olhar decepcionado de quem tanto te ama.

Pergunte a Pedro o que ele sentiu quando teve que encarar o olhar de Jesus. Você estaria preparado para reencontrar aquele a quem você traiu?

Olhe-se no espelho e pergunte a si mesmo se a imagem que você vê refletida é de alguém digno de confiança ou de alguém infiel à sua própria consciência.

Melhor que trair é ser sincero, jogar limpo, falar francamente, olho no olho, sem rodeios, sem meias palavras. Machuca muito menos que atraiçoar.

Foi isso que meu pai fez quando quis deixar sua antiga denominação. Ele convidou o líder da igreja para uma conversa franca. Eu estava lá e testemunhei a ombridade com que meu pai tratou aquele homem com quem havia caminhado por quase vinte anos. O nome disso é honradez. É assim que age quem é honrado. Tive muito orgulho do meu pai naquele dia.

Nem todo mundo tem a mesma ombridade e honradez. Há pessoas que são como serpentes, escorregadias e astutas, e em cuja língua há veneno. Deus as tratará!

E o pior de quem trai é ter que carregar um estigma pelo resto da vida.

Você colocaria o nome "Judas" em um filho? Mesmo que tenha havido outro Judas, que manteve-se fiel a Jesus até o fim, o nome tornou-se sinônimo de " traidor".

Não deve ser nada fácil carregar este tipo de estigma por toda a vida.

Jacó, mesmo depois de passar a ser chamar Israel, continuou sendo chamado de Jacó pelo resto da vida. O próprio Deus que mudou seu nome, continuou a chamá-lo de Jacó. Este foi o estigma que o patriarca teve que carregar por haver traído seu próprio irmão várias vezes.

Nunca vale a pena trair. Quem trai se torna seu próprio algoz.

Uns traem com um beijo, outros traem com um abraço, e outros com palavras e ações.

Seja fiel a Deus! Seja fiel à sua igreja! Seja fiel à sua família! Seja fiel aos seus filhos! Seja fiel à sua esposa! Seja fiel aos seus amigos! Seja fiel às suas convicções!

Se não dá pra caminhar juntos, pelo menos não traia tudo em que você disse acreditar por tanto tempo. Seja, no mínimo, fiel à visão celestial, como foi Paulo perante o rei Agripa.

Por favor, não deixe de assistir ao vídeo acima.

N'Ele que jamais nos decepcionará, apesar dos homens...

7 comentários:

  1. Perambulando pela net, cheguei até aqui. Muito interessante o seu espaço. Já marquei o meu trerritório e volto com mais calma para continuar a ler.
    Um bom domingo.
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir
  2. A paz !
    Quero lhe parabenizar pelo blog e dizer que já estou seguindo.
    Gostei muito da sua postagem e quero lhe desejar muita paz !
    Nos vemos por aí...

    ResponderExcluir
  3. Olá ,
    Primeiramente obrigado pelo comentário no nosso blog,o seu blog também é muito bom, que Deus abençõe seu ministério, já adicionei seu blog também.

    Renata

    ResponderExcluir
  4. Obrigado pela Visita, Que Deus Lhe abençoe !

    ResponderExcluir
  5. Já estou seguindo... um abraço, Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  6. Olá Hermes!

    Obrigado pela visita e pelo comentário.
    Já estamos seguindo seu blog também, que aliás, é muito rico em conteúdo.

    Fica na Paz!!

    Caminho da Graça Itanhaém

    ResponderExcluir
  7. Olá Hermes, fiquei feliz qdo li seu comentário no meu blog...Amei este assunto sobre traição.Nossa, como foi forte...pois este sentimento é horrível e inesquecível...Mas hoje, seu texto me despertou batsante... acredito que assim como devemos pedir perdão aos que traímos, devemos perdoar quem nos trai.POdemos até não esquecer, mas ameniza "aquela dorzinha". Valeu!Amei seu blog e passarei aqui, sempre...Abraços e que Deus te abençoe!!!!
    Dethe Martins

    ResponderExcluir