quinta-feira, março 31, 2016

23

Precipício à vista: Pastores entregam colegas para serem torturados


Por Hermes C. Fernandes

É assustador notar que depois de mais de cinquenta anos do golpe militar, boa parte da liderança evangélica brasileira sinta-se atraída pela possibilidade de que o país retroceda e volte aos "anos dourados" da ditadura. Razão pela qual resolvi postar novamente este artigo que oferece um vislumbre do que foram os anos que se seguiram e de quanto alguns setores da igreja evangélica se beneficiaram do regime, apoiando-o a ponto de pastores entregarem seus colegas para serem torturados.

Durante os primeiros anos do regime militar, os grandes centros do Brasil experimentaram uma enxurrada de pregadores norte-americanos. Com suas tendas portáteis, eles pregavam uma versão do evangelho diluída em ideologia capitalista, com discurso notavelmente fundamentalista e anti-comunista. Esses movimentos foram os matizes do neo-pentecostalismo brasileiro. Qualquer vertente protestante ou católica socialmente engajada era considerada subversiva, e por isso, tinha que ser combatida. Foi nesta mesma época que o Brasil importou dos EUA o movimento de renovação carismática da igreja católica.

Os militares, atendendo aos interesses do imperialismo americano, perceberam que uma religiosidade mais mística, que promovesse alienação nas camadas populares, inibiria a emergência de uma consciência crítica da realidade. A ênfase exacerbada nos dons espirituais, nas manifestações prodigiosas, somada a uma escatologia escapista, se incumbiriam de manter as pessoas distraídas, enquanto a agenda política americana fosse implantada na América Latina (o mesmo aconteceu no Chile e na Argentina). O fruto disso tudo é o estado atual em que se encontra a igreja brasileira. Lamentável. Deprimente. Para não dizer, desesperador.

Quanto aos pastores delatores, estes certamente achavam estar prestando um serviço à causa de Deus. Foram marionetes nas mãos dos poderosos. Desde então, a igreja evangélica brasileira vêm se promiscuindo, aliando-se às famigeradas oligarquias que têm governado este país desde as capitanias hereditárias, em vez de denunciar as injustiças, sendo voz profética em favor dos que não têm voz.

Temo que a presente animosidade que tem dividido nosso povo tenha chegado também à classe pastoral, e que isso possa gerar disposição semelhante a de outrora; se não de entregar colegas à prisão, pelo menos usar as redes sociais e os púlpitos para desmoralizá-los pelo simples fato de não esboçarem uma visão reacionária ou por não apoiarem o impeachment de Dilma Rousseff. Deixa-me perplexo ver homens que têm dado uma grande contribuição à evangelização do país sendo vítimas deste patrulhamento ideológico, execrados por companheiros que antes os apoiavam. Eu mesmo já recebi comentários inusitados em minhas páginas nas redes sociais. Fui chamado de patife, esquerdopata, comunista, e o pior de tudo é que isso partiu de irmãos em Cristo. Eles apenas repetem exaustivamente o que ouvem de seus gurus e mentores espirituais. Se, de fato, almejamos dias melhores, temos que aprender a conviver com o contraditório, sem nos ressentir nem sair por aí ofendendo a quem quer que seja. Por favor, mais amor, menos rancor. 

__________________________

O Ato Institucional Número Cinco foi o quinto de uma série de decretos emitidos pelo regime militar nos anos seguintes ao Golpe militar de 1964 no Brasil. Redigido pelo Presidente Artur da Costa e Silva em 13 de dezembro de 1968, veio em represália à decisão da Câmara que se negara a conceder licença para que o deputado Márcio Moreira Alves fosse processado por um discurso pedindo ao povo brasileiro que boicotasse as festividades do dia 7 de setembro. Mas o decreto também vinha no correr de um rio de ambições, ações e declarações pelas quais a classe política fortaleceu a chamada linha dura do regime instituído pelo Golpe Militar. O Ato Institucional Número Cinco, ou AI-5, foi um instrumento de poder que deu ao regime poderes absolutos e cuja primeira conseqüência foi o fechamento do Congresso Nacional por quase um ano.

O AI-5 era o endurecimento do regime militar. A tortura tornou-se instrumento de política de Estado e a repressão entrou na sua fase mais violenta. Começava então o estranhamento entre o governo militar e a Igreja Católica, principalmente com o setor progressista, defensor da Teologia da Libertação, uma leitura da inspiração marxista do Evangelho. Aquele foi o único espaço que realmente encarou a ditadura. Até jovens evangélicos abandonados por suas igrejas encontraram apoio nos progressistas católicos. Diante do silêncio da maioria das igrejas evangélicas, para muitos seminaristas e pastores, a Igreja Católica tornou-se um grande guarda-chuva onde podiam se abrigar.


Em Volta Redonda, no sul do Estado do Rio de Janeiro, o pastor batista Geraldo Marcelo foi preso três vezes como agente da subversão, chegando a ficar 43 dias em poder dos militares. Ex-funcionário da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e membro do Conselho Fiscal do Sindicato dos Metalúrgicos, o religioso, hoje com 84 anos, superou os traumas e relembra dos cultos que realizava na cadeia: “Cinco companheiros se converteram e um deles hoje é pastor”, aponta. A mesma sorte não teve Anivaldo – preso em 1970, ele permaneceu 11 meses incomunicável no famigerado Departamento de Operações e Informações - Centro de Operações e Defesa Interna, o DOI-Codi, principal órgão de repressão do regime militar. Sofrendo torturas diárias, pensou em suicídio para não sucumbir à coação para entregar os amigos e irmãos de fé. “Eu pensava em me matar. A pressão era muito grande. Só que eu era forte – precisava de cinco, seis, para me torturar”, conta, ainda visivelmente comovido com as lembranças. “Foi pela ação de Deus que eu não morri. Eu me sentia como Jesus, querendo passar de mim aquele cálice de dor”.

Por sua vez, Anivaldo soube pelos torturadores que foi denunciado por um pastor e um bispo da Igreja Metodista. Mas a certeza só veio quando, anos depois, teve acesso à sua documentação nos arquivos da ditadura. “No meu processo está o bilhete que o pastor José Sucasas Junior e seu irmão, o bispo Isaías Sucasas, mandaram ao coronel Faustine, diretor do Serviço Nacional de Informações e presbiteriano, me entregando. Havia uma aliança implícita entre os setores conservadores da Igreja e os órgãos de repressão”, denuncia. A falta de registros históricos do período da ditadura pela Igreja Evangélica é uma das formas de não revelar seus paradoxos. A mesma denominação que o delatou também tinha setores que o apoiavam e à sua família. “Houve um bispo que tentou me visitar e não conseguiu. Igrejas oraram em atos de fé e coragem”.

Deduragem – Luiz Caetano Grecco Teixeira, também preso após o AI-5, lembra que a “deduragem era fenomenal” entre os crentes e até entre pastores e as próprias ovelhas. Ele conta que, numa reunião de oração de estudantes cristãos, uma então líder da Aliança Bíblica Universitária, a ABU – hoje, pregadora conhecida – entregou ativistas aos agentes da repressão que entraram no recinto. Entre eles, estava Mozart Noronha, que na época era crente presbiteriano e hoje é pastor luterano no Rio. O nome da mulher, Grecco não revela. “É um acerto de contas pessoal”, justifica.

Para ele, a partir de 1970 houve um desmonte da consciência política da Igreja Evangélica brasileira, movimento com influência americana: “Veio para cá o chamado grupo da Califórnia, da extrema direita protestante americana, uma organização com muito dinheiro.” A ação do movimento consistia em enviar ao Brasil professores de teologia e recursos para tocar projetos educacionais ligados a igrejas. “Era a direita se fortalecendo dentro da Igreja."

A partir dali, começou a falência da Escola Bíblica dominical e o fortalecimento do modelo eclesial americano”, avalia Gracco.Percival de Souza, que em 1968 era repórter do Jornal da Tarde, em São Paulo, foi duas vezes enquadrado na Lei de Segurança Nacional, acusado de jogar o povo contra os militares através de suas matérias. Denunciado na Justiça Militar, o jornalista diz que não recebeu nenhuma palavra de apoio da igreja a que pertencia: “Só não fui preso pelos desígnios divinos”, comenta.

Enquanto o regime prendia pessoas que sequer sabiam porque eram detidas, Percival lembra que movimentos extremistas de esquerda executavam sumariamente companheiros que consideravam ter práticas burguesas. Ele conta um episódio curioso: “Um casal de militantes comunistas foi repreendido simplesmente por cantar Parabéns pra você no aniversário da filha”. Percival também faz questão de contar que Diógenes de Oliveira, que durante o regime pertencia ao movimento revolucionário, em 2001 foi acusado de fazer acordo com a polícia para não incomodar o jogo do bicho, em Porto Alegre (RS), quando era coordenador financeiro da campanha de Olívio Dutra à reeleição para o governo do Estado. “Escapamos da ditadura militar e entramos na ditadura da mediocridade, inclusive na Igreja”, conclui Percival.

Comissão da Verdade vai apontar religiosos que ajudaram a ditadura

A Comissão Nacional da Verdade criou um grupo para investigar padres, pastores e demais sacerdotes que colaboraram com a ditadura militar (1964-1985), bem como os que foram perseguidos. 

“Os que resistiram [à ditadura] são mais conhecidos do que os que colaboraram”, afirmou Paulo Sérgio Pinheiro, que é o coordenador desse grupo. “É muito importante refazer essa história." 

Ele falou que, de início, o apoio da Igreja Católica ao golpe de Estado “ficou mais visível”, mas ela rapidamente se colocou em uma “situação de crítica e resistência.” 

O bispo Carlos de Castro, presidente do Conselho de Pastores do Estado de São Paulo, admitiu que houve pastores que trabalharam como agentes do Dops, a polícia de repressão política da ditadura. Mas disse que nenhuma igreja apoiou oficialmente os militares. 

No ano passado, a imprensa divulgou o caso do pastor batista e capelão Roberto Pontuschka. De dia ele consolava os presos, falando sobre Deus, e à noite os torturava. Em maio deste ano, a Comissão de Anistia concedeu indenização ao evangélico Anivaldo Padilha, 72, que foi denunciado ao regime pelo bispo Isaías Fernando Sucasas e pastor José Sucasas Jr, da Igreja Metodista. Os sacerdotes desses casos já morreram. 

O batista Enéas Togninini, 97, é um religioso que ficou do lado da repressão militar. Ele chegou a pedir aos aos fiéis um dia jejum e oração ao regime. "Não me arrependo porque eles [os militares] fizeram um bom trabalho", disse ele recentemente à revista Istoé. "Salvaram a pátria do comunismo."

O novo grupo da Comissão da Verdade vai pesquisar documentos, depoimentos, teses e arquivos internacionais. O resultado desse trabalho será divulgado em um relatório final. 

"Podemos indicar elementos de igreja que trabalharam como informantes da ditadura, mas não condená-los", disse Pinheiro.


Pastor torturava à noite presos da ditadura e de dia falava da Bíblia


O pastor batista e capelão Roberto Pontuschka era um assíduo frequentador dos porões da ditadura militar (1964-1985). À noite ele torturava os presos políticos, no pau de arara, e de dia os consolava falando de Deus e lhes dava exemplares do Novo Testamento. Entre os presos, havia evangélicos, como o presbiteriano Rubem Cesar Fernandes, 68.

Fernandes foi preso em 1962 pelos policiais da Oban (Operação Bandeirantes) por ser militante estudantil. Ele disse ter sido dedurado por pastores por ser considerado “elemento perigoso”. Até hoje o antropólogo não se conforma: “Não é justificável usar o poder militar para prender irmãos”.

Outras histórias como a de Fernandes estão vindo à tona a partir do exame das cópias de documentação de tribunais militares que o CMI (Conselho Mundial de Igrejas), organização internacional ecumênica, acaba de repatriar ao Brasil. Mais de um milhão de páginas estavam protegidas em Chicago, no Center For Research Libraries. Sem que os militares suspeitassem, as cópias foram feitas quando os advogados dos presos retiravam dos tribunais os processos para examiná-los por 24 horas.

Os militantes de oposição à ditadura sempre acusaram as igrejas evangélicas de terem dado apoio à repressão, diferentemente da Igreja Católica de dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo, que se colocou na linha de frente da resistência ao regime.

A documentação do CMI confirma a conivência institucional dos evangélicos.

Anivaldo Padilha foi torturado pela ditadura militar
Padilha foi denunciado
por pastores metodistas
Anivaldo Padilha (foto), hoje com 71 anos, foi denunciado pelo pastor José Sucasas Jr. e pelo bispo Isaías Fernandes Sucasas, ambos metodistas e já falecidos.

Padilha foi torturado por 20 dias no DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna) de São Paulo entre fevereiro e março de 1970. Estava com 29 anos. Era metodista e estudava ciências sociais na USP (Universidade de São Paulo). O trauma quase o levou ao suicídio. Viveu 13 anos no exílio.

Preso em 1969, Leonildo Silveira Campos foi torturado por dez dias. Estava com 21 anos e era seminarista da Igreja Presbiteriana Independente. Hoje é teólogo e professor de ciências da religião na Umesp. Ele também não se esqueceu das “pregações” de Pontuschka, o pastor torturador.

Zwinglio Mota Dias, 70, hoje pastor emérito da IPU (Igreja Presbiteriana Unida do Brasil), foi expulso em 1962 do Seminário Presbiteriano de Campinas porque defendia que a salvação das almas passava pelas questões sociais. Outros 38 seminaristas foram expulsos.

Na Faculdade de Teologia de São Paulo, da Igreja Metodista, o pastor Boanerges Ribeiro, presidente na época da denominação, “convidou” alunos e professores a se retirarem.

Anivaldo Padilha afirmou que vários evangélicos colaboraram com a repressão, delataram irmãos e assumiram o discurso dos militares. “Eu acreditava ser impossível que alguém que se dedica a ser padre ou pastor, cuja função é proteger suas ovelhas, pudesse dedurar alguém.”

Ele contou que anos depois se encontrou com um de seus torturadores em um Carnaval e o perdoou. “O perdão, para mim, foi uma forma de exorcizar os demônios das torturas que me causaram pesadelos durante quase seis anos”.

Mas nem por isso os torturadores devem ficar impunes, disse.

“A punição deles é importante para resgatar a dignidade dos que foram torturados, da memória dos assassinados, das famílias que não puderam ainda sepultar seus membros desaparecido.”

Fontes: Wikipédia, Eclésia, Istoé e Blog do Paulo Lopes

23 comentários:

  1. Olá Hermes. Gostei do blog. Um detalhe, eu sei o nome da delatora, hoje famosa "pregadora"...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo11:49 AM

      Qual é o nome da delatora?

      Excluir
    2. Anônimo1:36 PM

      qual?

      Excluir
  2. Tenho acompanhado as suas publicações no Genizah.
    Através da leitura dos textos de sua autoria fica evidente o compromisso que tem, primeiramente, com a Palavra de Deus, o que é uma raridade nos dias atuais.
    Vale dizer que tenho aprendido bastante com eles (textos).
    Que Deus o recompense sempre!

    ResponderExcluir
  3. é dificil acreditar que "irmãos em Cristo" dedurarm irmãos para ditadura.vergonhoso!
    bela materia!

    ResponderExcluir
  4. A "pregadora conhecida" é aquela que recomendou voto com base em Isaías?

    ResponderExcluir
  5. Lamentável, na hora negui treme na base,Paz!

    ResponderExcluir
  6. Lamentável, na hora negui treme na base,Paz!

    ResponderExcluir
  7. Hermes primeiramente é uma honra ser torturado, preso e morto fisicamente por amor a Jesus Cristo e sua Palavra.
    Eu Hermes sou missionário e já passei por isto, fui torturado e preso por falar de Jesus Cristo que cura, salva, liberta e leva o homem arrempendido dos seus pecados a vida eterna.
    Todos os dícipulos de Jesus foram mortos horrivelmente, decaptados pendurado num madeiro de cabeça para baixo como Pedro etc, somente João do amor que escapou da morte cruel, morrendo de vilhece.
    Os apóstolos foram todos mortos com mortes horríveis por falar do amor de Jesus Cristo e sua salvação que leva o homem a vida eterna.
    E vemos hoje muitos, milhões de irmãos sincero e fiel a Palavra de Deus, serem morto por amor a Jesus Cristo.
    Quem é de Deus vai ter quer passar por isto.
    O preço da nossa salvação foi de sangue de um inocente sendo Deus, Ele o Senhor Jesus Cristo de Nazaré.
    Mas quem fez isto que o texto diz, não é cristão, e sim o joio infiltrado no meio dos cristãos fiéis.
    Mas não é de se alarmar!
    Isto vai acontecer em breve ao todos os fiéis cristãos professos a Jesus Cristo e sua Palavra, a perseguição virá a todos os Verdadeiros seguidores de Jesus queira o homem ou não queira vai acontecer, para que as Escrituras se compri e o filho da perdição se manifeste.
    O final da vida cristã do cristão, é carregar a cruz sendo torturado, preso, e até morto fisicamente, não tem escapatória para nenhum cristão daqui para frente.
    Agora é a peneira de Cristo, quem for fiel a Palavra e está cheio do Espírito Santo aguentará a perseguição, mas os mornos na fé, este não aguentarão e se entregarão ao poder da Nova Ordem Mundial.
    Vale a pena morrer pelo evangelho de Jesus Cristo por sua palavra de Vida Eterna.
    Como Estêvão que ao ser apredeijado viu o céu aberto, viu Jesus e glorificou a Deus vendo os anjos pasarem lá para cá, sabendo que o melhor é estar com o Senhor Jesus Cristo.
    Aqui nesta podre terra, é só sofrimento, dor, angústia, e sofrimento.
    Com Jesus Cristo é paz e vida etena para sempre.
    Pense nisto, a perseguição virá sim, e irmãos: Enchei-vós dos Espírito Santo, se não voces não vão aguentar, e Satanás fará de voces um estrago.
    Fiquem com Jesus Cristo que é a única solução, não há outra saída, só através de Jesus Cristo que terão vitória.

    ResponderExcluir
  8. Não fará justiça o justo juiz de toda a terra?????

    É por isso que tem muita denominação encardida por ai....SE não tiver arrependimento e perdão, irão continuar assim.

    Triste triste triste.

    ResponderExcluir
  9. "O batista Enéas Togninini, 97, é um religioso que ficou do lado da repressão militar. Ele chegou a pedir aos aos fiéis um dia jejum e oração ao regime. "Não me arrependo porque eles [os militares] fizeram um bom trabalho", disse ele recentemente à revista Istoé. "Salvaram a pátria do comunismo."

    Não sou batista. Mas Eneas Tognini sempre foi e é um referencial de integridade.

    A matéria me parece tendenciosa, como em todos os assuntos relativos à "Comissão da Verdade", que deveria ser chamada de "Comissão da Versão da Verdade". Eu duvido, por exemplo, que o pr Eneas tenha pedido "um dia de oração e jejum pelo REGIME", mas sim, tenha feito o que a Bíblia manda fazer: orar pelos governantes e pelo povo. São coisas totalmente distintas, e me parece que a ideia foi manipulada.

    O autor do texto também esquece de informar que a luta do Regime Militar foi contra o COMUNISMO MARXISTA, que queria se instalar no Brasil com financiamento de Cuba.

    Sendo assim, é claro que repugnamos a tortura, mas os MARXISTAS, que pregam que o Estado é o deus a ser adorado, precisava ser combatido, inclusive pelos cristãos, protestantes ou católicos. Ainda hoje. A dicotomia marxismo-cristianismo não se alinha, de modo algum. Porém, a cabeça de uns, o marxismo é preponderante.

    A importação de teologias americanas modernas ocorreu neste período sim, mas não vejo em que os militares tenham facilitado isso. É mais uma retórica antiga, do jogo contra "os imperialistas americanos". O dano dessa importação - que continua até hoje, num regime socialista-democrático - é visível e cruel. Um verdadeiro câncer. Mas associar isso a um estímulo das FA é forçar a história a dizer o que ela não diz.

    O espírito marxista-socialista da época em que FOI NECESSÁRIO que as forças armadas tomassem o poder, estão voltando com todas as forças - e garras. E é ela que rege a "Comissão" seja no aspecto político militar, ou no aspecto até mesmo religioso, como se propõe esse texto. Afinal, qual o engajamento no comunismo dos personagens que foram "denunciados pelos seus colegas"? O que eles estavam fazendo? Porque só alguns foram denunciados??? Volto a dizer que é impossível concordar com a tortura; mas é também impossível concordar com o comunismo dentro da visão cristã. Isso é utopia.

    Termino dizendo: nós não fazemos o mesmo hoje??? Não denunciamos os Valdomiros, os Macedos, os Malafaias, os Caios, os Liberais da vida teológica? Não há sempre hereges?

    Termino, falando pela TERCEIRA vez: não é possível se conformar com a TORTURA. Esse é um erro que até os próprios militares já admitem. Mas também não é possível ver o comunismo(com vestes de socialismo, de progressismo, etc) entrar em nossas igrejas e esfera cristã sem os denunciar.

    A quem? A todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo6:21 PM

      Esse negócio de irmão entregar irmão é antigo. Se Judas entregou e negou a Jesus Cristo qanto mais a nós um irmão do filho pródigo pode fazer.

      Excluir
    2. Anônimo9:29 AM

      Parabéns pastor Antonio Costa! Otima resposta.

      Excluir
    3. Pastor Pr Antonio Carlos seu comentário é preciso, HONESTO e esclarecedor. Certamente contraria muito o texto do Hermes que, infelizmente, mais uma vez insere nas suas entrelinhas uma ideologia política alinhada com o marxismo. Triste!

      Excluir
  10. juscelino9:13 AM

    Que tal no próximo post você falar algo sobre as centenas assassinos da esquerda que mataram , torturam e queriam implantar no país o regime mais assassino de todos os tempos , inclusive muito mais que o nazismo. muitíssimo mais , pois o nazismo matou muito mais em guerra.. o regime assassino que iria sem implantado no pais matou o próprio povo na base do extermínio.. É DURO TE DIZER MAS ESSES CARAS AI QUE VOCE CITOU TALVEZ VOCÊ DEVA A ELES O FATO DE ESTAR POR AQUI COMO TAMBEM SEUS DESCENDENTES. cruel né.. e se estivesse aqui talvez ninguém o conheceria pois nem internet teria.. vá lá em cuba acessar a rede . vai. O QUE OS SABICHOES NÃO DÃO A MÃO A PALMATORIA POR DESONESTIDADE INTELECTUAL é que aquela porcaria toda era uma guerra.. ERA UMA GUERRA INICIADA POR COMUNISTAS ASSASSINOS.. faz favor.. VAMOS FALAR DE DEUS. aqui só tem vez e merece condescendência A XUXA, O JOAO UILIS, O HOMOSEXUALISMOS DOS FELIX DA GLOBO ..

    ResponderExcluir
  11. Todo sistema religioso é podre, haja vista a crise que acometeu a Visão Mundial essa semana porque seu presidente resolveu empregar cristãos gays. Pastores e líderes evangélicos famosos como Franklin Graham e John Piper caíram em represália a ONG ao ponto de vários colaboradores de peso anunciar seu cancelamento com as doações, eu pergunto: será que Jesus Cristo se importa mais com esse preconceito do que com as milhões de crianças que são atendidas pela Visão Mundial??? Dogmas teológicos são mais importantes que o amor ao próximo??? Ignorância, preconceito e falta de amor norteiam o mundo evangélico, voltemos urgentemente ao Evangelho puro e simples que o Senhor Jesus nos ensinou!!!

    ResponderExcluir
  12. Todo sistema religioso é podre, haja vista a crise que acometeu a Visão Mundial essa semana porque seu presidente resolveu empregar cristãos gays. Pastores e líderes evangélicos famosos como Franklin Graham e John Piper caíram em represália a ONG ao ponto de vários colaboradores de peso anunciar seu cancelamento com as doações, eu pergunto: será que Jesus Cristo se importa mais com esse preconceito do que com as milhões de crianças que são atendidas pela Visão Mundial??? Dogmas teológicos são mais importantes que o amor ao próximo??? Ignorância, preconceito e falta de amor norteiam o mundo evangélico, voltemos urgentemente ao Evangelho puro e simples que o Senhor Jesus nos ensinou!!!

    ResponderExcluir
  13. Anônimo12:08 PM

    Será que amor cristão existe mesmo? Acho que não.

    ResponderExcluir
  14. Se considerarmos o que acontecia e ainda, nos dias de hoje, acontece em regimes ditatoriais socialistas/comunistas, como em Cuba, Coréia do Norte, Venezuela ... acredito que dos males, o regime militar foi o menor, só esquerdista fanático pra pensar diferente. Triste é ver que as mesmas pessoas que depois de 30 anos se posicionam contra, acertadamente a esse triste período da nossa história, se posicionar a favor e ou neutro (o que não deixa de os favorecer também) aos regimes ditatoriais de esquerda, e a favor desses que hoje estão no poder tentando de maneira "democrática" instaurar uma ditadura bolivariana por aqui :

    http://www.epochtimes.com.br/patria-grande-este-sim-um-forte-motivo-para-impeachment/#.VFe1rMn4o0-

    Ao invés de se posicionarem contra, esses, disfarçadamente, escrevem artigos sobre a ditadura, pra criticar aqueles que se posicionam contra a outro tipo de ditadura, pior ainda do que a ditadura militar, é deprimente, pra não dizer outras coisas.

    ResponderExcluir
  15. Vou dar uma de advogado do diabo!!! Imaginem se fosse o contrário. Se aquela galera que queria o poder pelo poder tivessem conseguido dar o golpe comunista no Brasil. Como estaria a "igreja evangélica" hoje? Se é que existiria igreja no Brasil!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, amigo, existiriam, assim como elas prosperam na Coréia do Norte e em Cuba, sem repressão ou rstrição alguma....

      Excluir
  16. Muito fantasiosa a sua tese. Carece de comprovações. Seus artigo é bem desenvolvido sobre o ponto de vista textual, mas incorre em erros conceituais e idéias acadêmicas já superadas. Essa coisa de golpe manipulado pelo imperialismo americano" Já ficou para tras. E outras coisas que não cabem comentar neste espaço reduzido.Cuidado ao falar de pastores, ok?

    ResponderExcluir