segunda-feira, fevereiro 20, 2017

19

A complicada relação da igreja com o carnaval



Por Hermes C. Fernandes

Duas igrejas. Duas posturas diferentes quanto às demandas do mundo. Posturas que se evidenciam durante a época da festa da carne. Encontramo-nas, de maneira metafórica, num episódio relatado por Lucas envolvendo duas multidões que vinham de lados opostos, mas que, eventualmente, se chocaram.

A primeira multidão era liderada por Jesus, e seguia euforicamente na direção da cidade de Naim. Pessoas que haviam deixado tudo para seguir o mestre da Galileia. Não se importavam com o calor escaldante da região. Nem em passarem  por alguma privação durante o cortejo. A razão de toda a sua alegria e esperança estava personificada naquele jovem carpinteiro.

A multidão que seguia na direção oposta era liderada por um defunto. Enquanto a primeira entrava na cidade, a segunda a deixava. Enquanto a primeira parecia celebrar, a segunda só fazia lamentar. E, de fato, havia motivo para isso. Ao lado do defunto ainda moço, estava sua mãe, inconsolável, que não fazia muito tempo perdera também o marido. Sem um arrimo para sustentá-la, só lhe restava chorar, chorar e chorar.

Imagine o 'choque térmico' provocado pelo encontro das duas multidões. Uns sorrindo, outros chorando. Se ao menos entendessem a razão uns dos outros... Quem chorava, ao deparar-se com quem sorria, devia pensar: quem é este idiota que não respeita a dor alheia? Quem celebrava, ao avistar os que choravam, provavelmente pensava:  será que não percebeu a presença de Jesus entre nós?

Quando Jesus se viu de frente com aquela viúva, seu coração se encheu de ternura e compaixão. Dirigindo-se a ela, disse: Não chores!

Como assim, “não chores”? Será que não viu o menino morto que era carregado? Será que não percebeu que a partir daquele dia, ela poderia ficar desamparada? Obviamente que a resposta a estas perguntas é um sonoro sim. O “não chores” não soou petulante. Não foi uma ordem. Bastava observar as feições de Jesus para perceber a doçura do seu olhar. Quase que concomitantemente, Jesus paralisa o cortejo fúnebre, toca o esquife e diz ao morto: “Jovem, a ti te digo: Levanta-te”.

Se o jovem não o tivesse atendido, Jesus teria sido considerado um louco varrido e talvez até fosse linchado pela multidão. Mas o fato é que ele atendeu, levantou-se vivo e foi entregue à sua mãe. Agora, já não havia duas multidões caminhando em direções opostas, mas uma única multidão que se mesclara. Os que antes choravam, agora tinham uma razão para celebrar. Os que já celebravam, agora tinham uma razão a mais para fazê-lo.

Durante esta época, muitas igrejas preferem deixar a cidade. A alegria do mundo parece incomodá-las, pois rivaliza com sua própria alegria. Talvez até preferissem vê-lo chorar. Elas se esquecem que essa alegria é fugaz, e que, invariavelmente, termina em cinzas. Por trás de cada máscara e fantasia há um ser fragilizado, que depois de trabalhar o ano inteiro, se entrega à folia para tentar driblar o vazio que há em sua alma. Todavia, a alegria provida pelo Carnaval pode ser tudo o que ele tem. Por isso, não acho que seja sábio desdenhá-la ou desrespeitá-la, mesmo que não nos pareça possível endossá-la. 

Não me atrevo a generalizar, porém, constato que muitas dessas igrejas parecem ser guiadas por um morto. Uma espiritualidade mórbida. Um cristianismo em estado de putrefação e decomposição. Essa igreja é viúva. Seu marido é um Cristo que não deixou o túmulo. Que fez da própria igreja o seu sepulcro. Por isso, não lhe resta alternativa senão enterrar agora os seus filhos. Enterrá-los a sete palmos de alienação para que se decomponham fora das vistas do mundo. Seus filhos parecem destinados a serem devorados pelos vermes da religiosidade apática e performática.

Todavia, há uma igreja que toma o caminho inverso. Que se volta para a cidade. Que se dispõe a acolher os que choram sem se importar em misturar-se a eles. Quem está à sua frente é ninguém menos que o Cristo de Deus, o porta-voz da vida, o única capaz de reverter o quadro caótico em que se encontra o mundo. Deixe que Ele toque o esquife! Para os doutores da Lei, tocar o esquife tornava-o imundo. Mas quem disse que Jesus se importa com a higiene religiosa? Quem toca num esquife, equivalente ao caixão dos nossos dias, também toca num carro alegórico, num trio elétrico, numa vida arruinada pelas drogas, num homossexual vítima de todo tipo de preconceito, numa mulata em trajes sumários na avenida.  O Jesus que está à frente desta multidão não se deixa domesticar por convenções sociais ou ditames religiosos. Ele toca em quem quiser, onde estiver, na data que lhe aprouver, sem ter que se desculpar com ninguém.


* Texto baseado em Lucas 7:11-16 

19 comentários:

  1. Excelente!!!! É nisso que eu creio.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo11:54 AM

    concordo com o Bispo Hermes, temos que estar no meio da folia e levar a Palavra para eles, eu mesmo brinquei o carnaval a madrugada inteira e levei alguns folhetinhos com versiculo.
    Hoje vou cair na avenida de novo, vou torcer para minha escola de samba também, amo samba e carnaval. Parabens bispo Hermes.
    Todos os cristãos catolicos e evangélicos, temos que participar do carnaval, brincar, pular, afinal o carnaval é para todos.
    Parabens!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses anonimos aqui só podem estar de zoeira né? Não conseguem entender um texto simples desse e já chegam ao extremo? A vida não é 8 ou 80, o texto fala de não ignorarmos os perdidos, como muitos religiosos fazem. Se estão zoando tanto, é porque alguma coisa doeu

      Excluir
  3. Anônimo6:10 PM

    Mas , quando a alegria é pecaminosa , colocando em risco , ou "afundando" mais ainda as almas dessas pessoas... È para se lamentar ...

    ResponderExcluir
  4. Temos o ano todo para falar do evangelho, usar essa desculpa de pregar no carnaval só se for pra justificar a conciencia de quem quer ir pro meio, bom mas cada um dará conta de si no dia do juizo!

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, mas não acho q atrás de cada máscara ou fantasia haja um ser fragilizado e de alma vazia.
    Por trás da máscara e da fantasia há crentes, tementes, simplesmente gente.
    É só uma festa!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo12:42 PM

    Hermes está liberado também para o crente pular no carnaval cheirando o Loló? A Lança perfume?
    Se está liberado pode saber que vai rolar também um baseado, a erva do capeta nê?
    Que ridículo esse texto e essas pessoas que aceitaram essa barbaridade escrita.
    Sinceramente, o joio está dando as ordens e ensinado a bíblia, mas a bíblia do diabo nas igrejas de hoje.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc é joio ou o diabo?
      Um atrapalha o que se planta e o outro espreita anônimo pelas sombras.

      Excluir
  7. Anônimo11:38 PM

    Se identifique fake...

    ResponderExcluir
  8. Anônimo12:03 AM

    "Durante esta época, muitas igrejas preferem deixar a cidade. A alegria do mundo parece incomodá-las, pois rivaliza com sua própria alegria. Talvez até preferissem vê-lo chorar. Elas se esquecem que essa alegria é fugaz, e que, invariavelmente, termina em cinzas. Por trás de cada máscara e fantasia há um ser fragilizado, que depois de trabalhar o ano inteiro, se entrega à folia para tentar driblar o vazio que há em sua alma. Todavia, a alegria provida pelo Carnaval pode ser tudo o que ele tem. Por isso, não acho que seja sábio desdenhá-la ou desrespeitá-la, mesmo que não nos pareça possível endossá-la."

    O malabarismo intelectual que precisa ser feito pra achar que aqueles que não querem participar do carnaval estão desdenhá-la ou desrespeitá-la, seria o mesmo que eu dizer que aqueles que pulam o carnaval estão desdenhando ou desrespeitando aqueles que "estão deixando a cidade". O Hermes fica "constatando que muitas dessas igrejas parecem ser guiadas por um morto", sem perceber quem realmente pode estar "morto".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E quem espreita nas sombras do anonimato.

      Excluir
  9. Amém! Vivamos CRISTO!! !!

    ResponderExcluir
  10. Anônimo7:52 AM

    Excelente texto!

    ResponderExcluir
  11. Anônimo3:04 PM

    Basendo em qual interpretação bíblica, o senhor chegou a essa conclusão? O relato da viúva de naim, não pode sofrer essa anomalia.

    ResponderExcluir
  12. como sempre ...


    uma péssima postura teológica.

    ResponderExcluir
  13. Anônimo3:51 PM

    Tei tei tei

    ResponderExcluir
  14. Anônimo2:58 PM

    Dom Helder Câmara, durante sua crônica radiofônica chamada “um olhar sobre a cidade” da Rádio Olinda AM em 1 de fevereiro de 1975, fazia uma célebre orientação para que o povo católico brincasse o carnaval.

    Dizia ele: “Carnaval é a alegria popular. Direi mesmo, uma das raras alegrias que ainda sobram para a minha gente querida. Peca-se muito no carnaval? Não sei o que pesa mais diante de Deus: se excessos, aqui e ali, cometidos por foliões, ou farisaísmo e falta de caridade por parte de quem se julga melhor e mais santo por não brincar o carnaval. Brinque, meu povo querido! Minha gente queridíssima. É verdade que na quarta-feira a luta recomeça, mas ao menos se pôs um pouco de sonho na realidade dura da vida!”

    ResponderExcluir