sexta-feira, abril 29, 2016

14

Ubuntu, o legado e a demonização da cultura negra




Por Hermes C. Fernandes

“Enquanto a cor da pele for mais importante que o brilho dos olhos, haverá guerra.” 
Bob Marley

Anos atrás, uma de nossas congregações resolveu fazer uma apresentação na Sede da Reina homenageando a cultura negra. Mulheres vestidas a caráter começaram a dançar ao ritmo dos tambores, bem ao estilo africano. Por ser uma festa, tínhamos a presença de irmãos de muitas igrejas. Nem todos demonstravam o correto discernimento do que ocorria ali. Não demorou muito para que se ouvissem murmurinhos e expressões do tipo "tá amarrado!"[1] Aquilo me deixou tão incomodado, que ao término da apresentação (que incluía um grupo de capoeira), vi-me na obrigação de chamar a atenção dos que murmuravam. 

Por que insistimos em demonizar a cultura africana? Suas danças, música, folclore e tradições são entendidos como expressões malignas. Nossa contradição, todavia, é exposta ao nos referirmos às tradições religiosas nórdicas, celtas, anglo-saxônicas e greco-romanas como mitologia. Quanto preconceito ainda há em nós, quer admitamos ou não.

A única coisa que poupamos da cultura africana é a sua comida, desde que não seja servida por uma baiana de roupa branca e turbante. Recentemente, a comunidade candomblecista ganhou a liminar que proíbe evangélicos de venderem acarajé, uma comida típica da Bahia como "bolinho de Jesus". O acarajé foi tombado como patrimônio cultural brasileiro, e é uma manifestação cultural da culinária baiana que tem sua origem na religiosidade candomblecista como o alimento de Iansã. Quando um patrimônio cultural é tombado, seja material ou imaterial, a ideia é expressar sua importância para a construção de uma identidade cultural dos grupos sociais. O acarajé não é apenas uma comida de oferenda a uma entidade cultuada numa religião de matiz africano, mas um meio de garantir a sobrevivência de famílias que cultivam seus saberes culinários de geração em geração. Quando uma baiana arma seu tabuleiro na rua, sua intenção não é a de fazer oferendas a um orixá, mas tão-somente o de sustentar sua família. Sem contar que uma boa parte destas baianas é negra, pobre e arrimo de seus lares. Não é a alteração do nome da iguaria que vai santificá-la para ser consumida por cristãos evangélicos sem que isso lhes pese na consciência. À luz das Escrituras, o que santifica qualquer alimento é a gratidão com que o consumimos.[2] 

Nunca encontrei uma única passagem bíblica em que Jesus ou os apóstolos se referissem aos espíritos malignos com nomes de divindades dos panteões pagãos. Jamais flagrei os apóstolos expulsando um espírito de Júpiter ou Diana. Então, por que identificamos as divindades cultuadas nos terreiros como demônios? Por que não podemos enxergá-las apenas como seres mitológicos, como fazemos com Zeus, Thor e Hermes?

Responda-me com sinceridade: Você iria ao cinema prestigiar um filme intitulado "Xangô de Ife", onde um personagem negro, portando um machado de dois gumes, vindo de Aruanda, controla os raios e os trovões? Certamente que um filme desses seria execrado por muitos cristãos. Mas, se o filme se chama Thor, deus nórdico dos trovões, a quem se sacrificavam homens, mulheres e crianças, pendurando-os em carvalhos, protagonizado por um louro bonitão de olhos azuis, é assistido sem o menor peso de consciência. Enquanto para Xangô são sacrificados pombos e galinhas de angola, para Thor eram sacrificados seres humanos. 

Que haja espíritos malignos que se aproveitam da superstição para se instalar em certas culturas, não me atrevo a duvidar. Inclusive por trás de muita devoção popular católica e da velada idolatria evangélica. Tais espíritos são ávidos por adoração, e para isso, escondem-se por trás de figuras mitológicas e de crendices de qualquer credo. Tenho a forte impressão de haja demônios ocultos em muitas das práticas evangélicas de hoje em dia, principalmente quando envolvem os chamados "pontos de contato". De acordo com a espiritualidade proposta no evangelho, o culto genuíno é aquele que prescinde de objetos, sejam da devoção afro-brasileira como patuás, banhos mágicos e etc., sejam do espírito judaizante imperante em muitas igrejas como shofar, arcas da aliança, montes sagrados e etc. O culto que agrada a Deus se dá em Espírito e em Verdade,[3] e não em superstições e amuletos.

Proponho que tratemos os elementos de qualquer culto em seu aspecto mitológico, sem, contudo, faltar-lhes o devido respeito. Mas que, em contrapartida, mantenhamos puro o culto que prestamos a Deus, sem nos apropriar indevidamente de qualquer um desses elementos, nem para o mal, nem para o bem. O sincretismo atenta contra a pureza do culto prestado. Isso vale para os cultos judaico, nórdico, indígena e, obviamente, africanos. 

Chega a ser um desrespeito a maneira como algumas igrejas se apropriam indevidamente de elementos pertencentes a outros credos. Um desrespeito à nossa própria fé e à fé alheia. Refiro-me a elementos estritamente cultuais, e não os culturais de modo geral. Não precisamos nos privar da boa música, da comida e de costumes inofensivos que já foram absorvidos pela nossa cultura. O que seria da música popular brasileira sem a contribuição da cultura africana? 

Devemos a ela o nosso samba, a bossa nova, o axé, e tantos outros ritmos que embalam nossas festas e enchem nossos corações de alegria. Aliás, a maior parte da música do ocidente tem os dois pés no continente africano: o blues, o rhythm and blues, o jazz, o rock’n roll, o rap, o funk, o soul e o gospel.

Viva a cultura negra! Muito de sua mitologia encerra importantes arquétipos que revelam a natureza humana em toda a sua ambiguidade. Não os reconhecemos como deuses, mas também não os chamamos de demônios. Demônios são os que se escondem por trás de todo engano, ódio e preconceito, ainda que para isso se façam passar até por Jesus Cristo.

Ubuntu

Ubuntu [4] é uma filosofia de origem africana que expressa a consciência da relação entre o indivíduo e a comunidade. Trata-se de um conceito amplo sobre a essência do ser humano e a maneira como deve se comportar em sociedade. Este conceito foi uma importante ferramenta na luta contra o regime Apartheid na África do Sul. Nelson Mandela inspirou-se nele para conduzir a política de reconciliação nacional, que uniu várias etnias em torno de um projeto que visava transformar aquele país num exemplo de superação de conflitos étnicos. De acordo com o manifesto do movimento criado por Mandela em 1944, “o africano quer o universo como um todo orgânico que tende à harmonia e no qual as partes individuais existem somente como aspectos da unidade universal.”[5]

De acordo com o arcebispo anglicano Desmond Tutu, autor de uma teologia ubuntu “a minha humanidade está inextricavelmente ligada à sua humanidade.”[6] Em seu livro "No Future Without Forgiveness" (em português: "Sem perdão não há futuro"), Tutu explica: “Uma pessoa com Ubuntu está aberta e disponível para as outras, apoia as outras, não se sente ameaçada quando outras pessoas são capazes e boas, com base em uma autoconfiança que vem do conhecimento de que ele ou ela pertence a algo maior que é diminuído quando outras pessoas são humilhadas ou diminuídas, quando são torturadas ou oprimidas.”[7] Tudo isso, porque, “uma pessoa é uma pessoa por intermédio de outras pessoas”[8]. O ser humano solitário é uma contradição. Diferente da lógica cartesiana que tem conduzido o Ocidente por séculos, em vez de “penso, logo existo”, a filosofia africana Ubuntu diz: “Existo porque pertenço.” Ubuntu, portanto, implica compaixão, comunhão e abertura de espírito ao outro, opondo-se ao narcisismo e ao individualismo tão predominante nas sociedades ocidentais.

A educadora sul-africana Dalene Swanson, professora da University of British Columbia, em Vancouver, Canadá, fala o seguinte a respeito do ubuntu:
“Diferentemente da filosofia ocidental derivada do racionalismo iluminista, o ubuntu não coloca o indivíduo no centro de uma concepção do ser humano. Este é todo o sentido do ubuntu e do humanismo africano. A pessoa só é humana por meio de sua pertença a um coletivo humano; a humanidade de uma pessoa é definida por meio de sua humanidade para com os outros: (…) o valor de sua humanidade está diretamente relacionado à forma como ela apoia ativamente a humanidade e a dignidade dos outros; a humanidade de uma pessoa é definida por seu compromisso ético com sua irmã e seu irmão.”[9] 
Há uma história que circula na internet atribuída a filosofa e jornalista Lia Diskin, que teria sido contada durante o Festival Mundial da Paz ocorrido em Florianópolis em 2006, e que exemplifica eloquentemente o sentido da filosofia Ubuntu:
“Um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e, quando terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria até o aeroporto de volta pra casa. Como tinha muito tempo ainda até o embarque, ele então propôs uma brincadeira para as crianças, que achou ser inofensiva. Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, botou tudo num cesto bem bonito com laço de fita e tudo e colocou debaixo de uma árvore. Aí, ele chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse "já!", elas deveriam sair correndo até o cesto e a que chegasse primeiro ganharia todos os doces que estavam lá dentro. As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse "Já!", imediatamente, todas as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore. Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e os comerem felizes. O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou por que elas tinham ido todas juntas, se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces. Elas simplesmente responderam: "Ubuntu, tio. Como uma de nós poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?" Ele ficou pasmo. Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo e ainda não havia compreendido, de verdade, a essência daquele povo...” 
Como é difícil para alguém acostumado ao espírito competitivo que rege as culturas consideradas mais avançadas do mundo, pelo menos do ponto de vista econômico, entender este tipo de comportamento baseado na cooperação, em que ninguém precisa perder para que outro ganhe. Segundo o espírito de Ubuntu, as pessoas não devem buscar levar vantagem pessoal em detrimento do bem-estar do grupo. A felicidade de um não pode custar a infelicidade dos demais. Para que uma pessoa seja plenamente feliz será preciso que todas do grupo se sintam igualmente felizes. E não é isso que dizem as Escrituras? O apóstolo João afirma que nossa alegria só será completa num ambiente de comunhão, onde a alegria de um completa a alegria do outro.[10] Ninguém é feliz sozinho. Por isso, Paulo não se incomodou em suplicar: “Completem a minha alegria, tendo o mesmo sentimento, o mesmo amor, um só espírito e uma só atitude.”[11] 

Estamos conectados uns com os outros e essa relação estende-se aos que vieram antes de nós e aos que ainda hão de nascer. Fomos convidados por Jesus a tomar assento à mesa do reino de Deus, ao lado de Abraão, Isaque e Jacó e de toda a sua descendência espiritual. Formamos todos uma única família, a família humana, reconciliados com Deus e uns com os outros por meio de Seu Filho Jesus Cristo. Vemos, então, que o legado que recebemos dos povos africanos vai muito além da música, da comida, das crenças, do folclore. Fomos agraciados com conceitos desta envergadura, capazes de demolir estruturas injustas como a do Apartheid.




[1] Bordão típico usado no neopentecostalismo que significa a neutralização de qualquer investida por parte de entidades demoníacas.
[2]Porque toda a criatura de Deus é boa, e não há nada que rejeitar, sendo recebido com ações de graças. Porque pela palavra de Deus e pela oração é santificada” (1 Timóteo 4:4-5).
[3] João 4:24
[4] Ubuntu é uma noção existente nas línguas zulu e xhosa - línguas bantu do grupo ngúni, faladas pelos povos da África Subsaariana.
[5] Nelson Mandela and the Rainbow of Culture, Anders Hallengren, Nobelprize.org, site oficial do Prêmio Nobel.
[6] All you need is ubuntu (28 de setembro de 2006).
[7] TUTU, Desmond. No future without forgiveness, New York: Image Books, 2000.
[8] TUTU, Desmond, Deus não é cristão, Rio de Janeiro: Thomas Nelson, 2012, pg. 41
[9] Fonte: site “Ensinar História” de Joelza Esther Domingues. http://www.ensinarhistoriajoelza.com.br/ubuntu-o-que-a-africa-tem-a-nos-ensinar/
[10] 1 João 1:3-4 – “O que vimos e ouvimos, isso vos anunciamos, para que também tenhais comunhão conosco (...) Estas coisas vos escrevemos, para que a vossa alegria seja completa.”
[11] Filipenses 2:2

14 comentários:

  1. Boa tarde.
    Caro Hermes, você é uma pessoa que tem (se os textos e exegese realmente forem crias suas) bastante conhecimento bíblico e vários e vários textos seus "muito ótimos". Mas sem ofensas, você poderia se dizer tem uma filosofia religiosa muito , digamos, esotérica, nova era. Vai me desculpar a cultura africana e isso engloba religião não tem nada a ver com cristianismo.Cristo..nem ela , nem a chinesa, nem japonesa entre outras aí.

    ResponderExcluir
  2. Paz! Cristo não fundou o Cristianismo. Tampouco a religião. Tudo que há assim o é por meio Dele, por Ele e pra Ele e sem Ele nada do que foi feito se fez. Se a bíblia diz isso posso eu demonizar alguma coisa? Posso eu dar crédito ao inimigo que nada criou mas no máximo distorceu ou deturpou tudo que Deus criou? O diabo não criou nada. Nem a morte nem a vida. É apenas uma criatura de Deus e que para a qual não há e não houve salvação como há pra nós seres humanos. Até nessa decisão Deus é soberano ou alguém pode explicar por que Deus não perdoou o anjo Lúcifer? Abraço, Fabio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simples. Lúcifer fez, faz e continuará fazendo sua obra malígna sem nenhum arrependimento.

      Excluir
    2. Minha cara Maria e quantos seres humanos fizeram, fazem e farão coisas piores que o diabo sem nenhum arrependimento? E ainda assim há esperança salvífica para os tais. Deus preparou o inferno para o diabo e seus anjos. Para o inimigo não é uma questão de arrependimento é soberania divina mesmo. Até para agir na vida de Jó, o cão teve que pedir bênção à Deus... É apenas um servo. Por isso penso que demonizar algo é "endeusar" demais o inimigo. Abc, Fabio

      Excluir
  3. Eu creio que religião é um assunto muito pessoal. Deus está plenamente ciente das nossas diversidades de crença , justamente por causa do "véu" , que desceu sobre nós a respeito Dele e do mundo espiritual; para que sem a sua influência possamos escolher em seguir e fazer a Vontade do Seu Espírito ou abandoná-Lo. Se nossos espíritos são atraídos a Ele , ou O ignoramos. Se buscamos uma Luz Maior e Perfeita, ou escorregamos para as sombras. A escolha é nossa. Tudo isso por que ninguém é obrigado a crêr em Deus. Cada religião tem um certo patamar de verdade adicionada a crenças humanas. Mas essa religião pode nutrir as pessoas até um certo grau para o seu crescimento. Só que ao explorar essas verdades, as pessoas podem ser despertadas para o grau seguinte. Cristo foi enviado e esta Terra para despertar e mostrar a Verdade de Deus o Criador de tudo e de todos. Várias crenças na Terra não incluem Jesus Cristo , mas essas pessoas são amadas e usadas por Deus. Deus não rejeita ninguém que o procura. Mas , qualquer pessoa que não satisfeita , está em busca de uma Luz Maior e perfeita, será agraciada por Deus e lhe dará oportunidade para encontrar essa Luz Maior. Deus quer que todos sejam direcionado à Verdade Pura e Perfeita Dele que está em Jesus Cristo. Cristo veio a esta Terra e através do seu sacrifício mostrou-nos o Caminho através dos seus exemplos e ensinamentos que nos leva ao Pai Celestial. Cristo é a Porta que nos leva ao Pai , ao Deus Criador de tudo. Abs.

    ResponderExcluir
  4. A partir do momento do crescimento da nossa conscientização espiritual , não devemos julgar ou condenar aqueles que têm uma forma diferente de adorar a Deus. As divergências doutrinárias , divergência de crenças e escolhas , não devem impedir dos discípulos de Cristo a amarem a todos.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo2:17 PM

    Hermes, o negro para mim já veio da descendência de Adão ou Eva.
    Quem prova se Adão ou Eva eram negros hein?
    Pelo que sei o Jardim do Éden, era no país Iraque, e pelo que vejo o pessoal dessa área são morenos para escuros, e muitos negros lá.
    Acho eu também que Jesus era moreno para escuro, pois o pessoal
    e lá também vai para a cor moreno escuro.
    E para completar a bíblia diz em Isaías que Jesus Cristo não tinha beleza nem formosura para alguém segui-lo, ele não tinha atração física era sem formosura na carne humana, mas Ele é Deus, e sua beleza está na sua glória celestial, Jesus é lindo!
    Não acredito eu no que o pessoal dizem por aí que os negros são maldição de Caim, pois Deus ama todos os seres humanos por igual. A maldição de caim era outra coisa que não sabemos.
    Como nossa descendência depois do diluvio, é de Noé.
    Com certeza tenho eu, que alguns dos filhos de Noé era negro, e a geração continuou até hoje.
    Para que falar neste assunto de negros, por incrível que pareça os
    meus melhores amigos são negros.
    Estive hospitalizado, e quem dou sangue para mim , foram uma turma
    de negro, gostaria eu de saber quem foi.
    Eu amo esta raça que é igual a nossa raça, somos seres humanos que iremos para o mesmo lugar.
    Preconceito, aí não! nota 10 para os negros que sobrevivem pela
    perseguição da raça branca nojenta.
    Nota 10 para vc Hermes em apoiar os negros.

    ResponderExcluir
  6. Anônimo2:20 AM

    Olha mas é da africa que veio tudo esses lances de religiões macabras. Então acho cultura das trevas sim.

    ResponderExcluir
  7. Apenas não entendo o porque de mulheres a caráter vestidas, bem ao estilo africano (ou celta, ou hindu, ou o que seja) se apresentando na igreja. Aquilo que entendemos por igreja não deveria ser apenas o lugar onde uma irmandade se encontra para louvar a Deus e aprender sobre sua Palavra? Não vejo Paulo e os demais apóstolos vestindo mulheres "à grega" nos cultos.

    Tenho para mim que as coisas deveriam ser muito mais simples do que na verdade estamos tentando fazer.

    ResponderExcluir
  8. Jojoca9:22 AM

    Negativo anônimo o que vc me diz a adoração a imagens de esculturas como no Brasil faz a padroeira do Brasil que é a Aparecida e é negra.
    Então não veio da África não, foi os brasileiros que escolheram a Aparecida como padroeira do Brasil.
    O que vc me diz da maior máfia de religião, seita macabra que chama de marçonaria hein? Não veio da África não.
    E a cultura no Brasil que é o futebol e vc cultua isso , isso não é uma cultura não? Tem missa nas igrejas de torcidas de times de futebol todos os anos para agradecer o que o deus deles fez por ele..
    Meu caro no livro de Jó diz que Deus perguntou a Satanás de onde ele veio e e reposta de Satanás para Deus foi: De rodear a terra e passear por ela, então meu caro não é cultura nem religião que está trazendo abominação e pecado, é o próprio Satanás e o ser humano que deixa isso acontecer e gosta.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo4:39 PM

    Os negros, esses magníficos representantes da raça africana, que conservam sua pureza racial por uma falta de afinidade com o tomar banho, veriam sua seara invadida por uma raça diferente de escravos: os portugueses. As duas raças agora compartilham uma experiência comum, cheia de querelas e discussões. A discriminação e a pobreza os unem numa batalha diária pela sobrevivência, porém suas atitudes diferentes em relação à vida os separam por completo: o negro é indolente e irresponsável, gasta seu dinheiro em frivolidades e bebida; o europeu vem de uma tradição de trabalho e poupança, que o acompanha até este canto da América e o impulsiona para ir além, até mesmo independentemente, de suas próprias aspirações.

    ResponderExcluir
  10. Por que insistimos em demonizar a cultura africana? Suas danças, música, folclore e tradições são entendidos como expressões malignas. Nossa contradição, todavia, é exposta ao nos referirmos às tradições religiosas nórdicas, celtas, anglo-saxônicas e greco-romanas como mitologia. Quanto preconceito ainda há em nós, quer admitamos ou não. "

    Bispo, é por isso que tenho interesse em realizar aquela pesquisa que mencionei caso eu faça mestrado em Psicologia Social.

    Parabéns pelo texto" Muito, muito bom.

    ResponderExcluir
  11. Dizer o que? Sou cristão evangélico e me emocionei às lágrimas com este artigo com o qual me identifico.

    ResponderExcluir