quarta-feira, março 27, 2013

9

Judas e o Evangelho Self-service




Por Hermes C. Fernandes

Para muitos, o beijo de Judas se tornou na marca da traição. Porém, devemos salientar que o beijo identificou o Traído, e não o traidor.

Depois de dar uma demonstração de humildade aos Seus discípulos, lavando-lhes os pés como um servo, Jesus voltou à mesa, e anunciou-lhes que dentre eles havia um traidor.

Todos ficaram pasmados, e perguntavam-no: - Senhor, quem é?

E de um a um, perguntaram: - Por acaso sou eu, Senhor?

Como Jesus identificou o traidor?

Segundo Mateus, Jesus disse: "O que mete comigo a mão no prato, esse me trairá" (Mt.26:23).

Pode parecer para nós um simples gesto, mas para os discípulos, meter a mão no prato do Mestre representava um atrevimento impensável, que só mesmo alguém dotado de personalidade irreverente seria capaz.

Meter a mão no prato significa servir-se a si mesmo. Tal era o caráter do discípulo traidor, que ele não se dispunha a servir ninguém, a não ser a seu próprio ventre.

Esse gesto aponta profeticamente para o surgimento de um tipo de cristianismo, onde as pessoas são estimuladas a viverem para si mesmas, buscando servir-se, em vez de servir à Deus e aos seus semelhantes. Basta ligar a TV, para nos darmos conta de que o Evangelho mais em voga em nossos dias é o Evangelho Self-service. Sem terem consciência disso, estimuladas pelos falsos mestres, as pessoas estão metendo a mão no prato do Mestre.

É interessante notar que há uma pequena variação no texto de João acerca desse episódio. De acordo com ele, Jesus identifica o traidor como "aquele a quem eu der o pedaço de pão molhado" (Jo.13:26). Imagino que ao ver Judas metendo a mão no Seu prato, Jesus o interrompe e lhe ´dá um pedaço de pão molhado no vinho de Sua própria taça. Judas não apenas quis se servir, mas sentiu-se à vontade para ser servido pelo próprio Senhor.

Pior do que servir-se a si mesmo, é servir-se do próprio Deus. É como achar que Deus existe em função de nossos caprichos e necessidades.

Ora, mesmo impactados por terem presenciado Seu Mestre servindo-os como um escravo, ninguém em sua sã consciência esperaria ser servido por Ele à Mesa. A lição que eles tiveram era que tinham que servir uns aos outros, e não esperar serem servidos.

Para avaliarmos o tipo de Evangelho que tem sido pregado em nossos dias, basta verificarmos o tipo de pessoas que ele tem produzido.

O genuíno Evangelho produz filhos cujo prazer é servir a Deus, servindo aos seus semelhantes.

O desevangelho, ou anti-evangelho (que é o Evangelho Segundo Judas) produz pessoas arrogantes, cheias de si, " cujo deus é o ventre".

9 comentários:

  1. eita! bão demais...

    obrigado pelo excelente texto e pela abordagem.
    Fique com Deus e na paz...

    abraço.

    Carlos Sugawara

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto e a reflexão. Deus abencoe. Abcs...

    ResponderExcluir
  3. texto M A R A V I L H O S O !!!!

    ResponderExcluir
  4. EXCELENTE! PRECISA SER DIVULGADO!

    ResponderExcluir
  5. É , realmente é a verdade. Tudo por falta de conhecimento do evangelho.

    ResponderExcluir
  6. Forte: é como em resumo penso se poderá defir o assunto magnificamente abordado aqui, e a cima.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo3:42 PM

    Hermes, o verdadeiro self-service é o que vemos na igrejas evangélicas, o falso evangelho, a falsa doutrina, sendo pregado pelo joio e pelos pastores amantes de si mesmos e amantes do mundo e seus prazeres.
    Não é um salada mista um verdadeiro self-service?
    lógico que é!

    ResponderExcluir
  8. Anônimo4:05 PM

    Eu gostaria de saber da honestidade que habita a Verdade que liberta se todos a quem é apresentado o poder de conhecer o conteúdo das vozes proferidas pelos "ventos" apresentados por Jesus a Nicodemus em João 3:8 conceguem lidar confortavelmente com aquele novo nascimento.

    PAIXÃO, Edson.

    ResponderExcluir