sexta-feira, novembro 27, 2009

5

Espiritualidade Alienante

Milhões de pessoas vivem uma espiritualidade alienante, ocupando-se exclusivamente com questões espirituais e sobrenaturais, enquanto fazem vista grossa às questões ordinárias da vida. Vivem à beira de uma espiritualidade esquizofrênica, ignorando que a vontade do Pai deve ser feita “assim na terra, como no céu”, conforme a oração ensinada por Jesus.

Perdemos o contacto com a realidade que nos circunda. Há irmãos sinceros que demonstram tamanha sensibilidade para as coisas espirituais, que freqüentemente dão testemunho de visões angelicais. Alguns testemunham acerca de supostos arrebatamentos, e relatam entusiasticamente suas excursões ao paraíso. A impressão que se dá é que tais pessoas buscam uma espécie de fuga da realidade. Geralmente, são pessoas muito simples, que vivem em comunidades carentes, desprovidas de qualquer infra-estrutura.

Suas experiências espirituais são a maneira de responderem à mensagem escapista que ouvem nos púlpitos de suas igrejas.

Se não há nada que se possa fazer para mudar as coisas neste mundo, o que fazer? Imaginar que haja outro mundo, oposto a tudo o que vemos aqui, parece uma saída plausível.

Em vez de incentivar os crentes a descruzarem os braços e trabalharem pela transformação do mundo, tal posicionamento estimula a indiferença, e a desesperança quanto ao futuro da humanidade.

Há pregadores que afirmam categoricamente que as coisas precisam piorar, para que Jesus Se apresse em retornar à Terra.

Ora, se o mundo está prestes a pegar fogo, por que nos preocupar com o seu futuro? Por que nos preocupar com questões como distribuição de renda, preservação do meio-ambiente, educação, ética nas pesquisas científicas, e etc.?

A igreja entrou de sola no negócio de ganhar almas, e assim, “povoar o céu”. Porém, a igreja primitiva estava envolvida em outro empreendimento: transformar o mundo.

Qualquer espiritualidade que não esteja comprometida com a realidade, está a serviço dos poderosos deste mundo, e é completamente dispensável para Deus.

Celebrações dominicais, vigílias, congressos, campanhas evangelísticas, se tornam apenas em passatempo, incapazes de estreitar nossa comunhão com o Criador. Ele mesmo é quem protesta:

“De que me serve a multidão dos vossos sacrifícios, diz o Senhor? Já estou farto dos holocaustos de carneiros, e da gordura de animais cevados (...) Quando virdes à minha presença, quem requereu isto das vossas mãos, que viésseis pisar os meus átrios? Não continueis a trazer ofertas vãs! O incenso é para mim abominação, e também as luas novas, os sábados, e a convocação das congregações; não posso suportar iniqüidade, nem o ajuntamento solene. As vossas luas novas, e as vossas solenidades, a minha alma as aborrece. Já me são pesadas; estou cansado de as sofrer. Pelo que, quando estendeis as vossas mãos, escondo de vós os meus olhos; sim, quando multiplicais as vossas orações, não as ouço. As vossas mãos estão cheias de sangue; lavai-vos, e purificai-vos. Tirai a maldade dos vossos atos de diante dos meus olhos! Cessai de fazer o mal, e aprendei a fazer o bem! Praticai o que é reto, ajudai o oprimido. Fazei justiça ao órfão, tratai da causa das viúvas”.
ISAÍAS 1:11a,12-17
Até que ponto a igreja de hoje não está incorrendo no mesmo erro de Israel dos tempos de Isaías?

Estamos craques em oferecer cultos que são verdadeiros shows, com direito a efeitos especiais e tudo mais. Mas será que Deus tem recebido nosso culto? Será que Ele Se deixa impressionar com nossas parafernálias tecnológicas?

De um lado encontramos igrejas extremamente litúrgicas, onde a forma se sobrepõe ao conteúdo. Do outro lado, temos as igrejas modernas, desprovidas de ritos, mas preocupadas em apresentar um show que vá de encontro aos anseios do homem moderno.

As pessoas não são incentivadas a oferecer culto a Deus, mas a serem tão-somente expectadoras. Elas vão à busca de bênçãos, e não para oferecerem a Deus suas vidas, seus dons, seu serviço.

Ao despedir-se dos crentes, o ministro pronuncia a bênção apostólica, mas não lhes comissiona a mudar a realidade.

Miquéias expressa a preocupação que todos deveríamos ter com relação ao culto que prestamos a Deus:

“Com que me apresentarei ao Senhor, e me inclinarei ante o Deus excelso? Virei perante ele com holocaustos, com bezerros de um ano? Agradar-se-á o Senhor de milhares de carneiros, ou de miríades de ribeiros de azeite? Darei o meu primogênito pela minha transgressão? O fruto do meu ventre pelo pecado da minha alma? Ele te declarou, ó homem, o que é bom. E o que é que o Senhor pede de ti, senão que pratiques a justiça, ames a misericórdia, e andes humildemente com o teu Deus?” MIQUÉIAS 6:6-8

O sacrifício que Deus espera de nós é “fazer o bem e repartir com os outros” (Hb.13:16). Tal é a Justiça do Reino de Deus.

Que todos os crentes que lotam os mega-templos de hoje em dia, ouçam o clamor do Criador: “Pois eu quero misericórdia, e não o sacrifício, e o conhecimento de Deus, mais do que holocaustos” (Os.6:6). Não é Deus quem precisa de nossa misericórdia, e sim os necessitados deste mundo. Servi-los é servir a Deus.

E o critério pelo qual seremos julgados um dia é a misericórdia que houvermos demonstrado ao nosso semelhante. Por isso, bem-aventurados são os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia.

Se quisermos agradar a Deus, temos que praticar a justiça, e amar a misericórdia, em vez de Lhe oferecer cultos desprovidos de sinceridade.

5 comentários:

  1. Paz do Senhor querido !
    Eu não entendo muito a questão defendida em que devemos nos preocupar com o Futuro nesta terra. Ao ler os Evangelhos, entendo que nossa missão é mudar o mundo, mas entendo também que este mundo está condenado, julgado, e que Deus tem preparado esta restauração.

    Colocar nossos olhos e esforços para as coisas terrenas não seria perder tempo ?
    Veja, não é uma crítica, apenas um questionamento pois sou um admirador do blog e dos seus textos.
    Com imenso respeito lhe escrevo.
    Sem mais,
    Alexandre

    ResponderExcluir
  2. Paz do Senhor Pr. Hermes. Tenho dito tudo isto em varios artigos em meus blogs, mas tenho focado o problema pontual dos ritos disfarçados de adoração que só servem para encher de orgulho e arrogancia aqueles que os praticam, é a versão moderna do fariseu de Lucas 18. que vai ao templo orar e se gaba de dar o dizimo e jejuar duas vezes na semana em oposição ao publicano (ladrão e roubador, na opinião dele). Por isso Jesus disse que os puplicanos e as prostitutas entrariam no reino antes deles e que eles provavelmente ficariam de fora.

    ResponderExcluir
  3. Alexandre, sinta-se a vontade para expor seus pensamento aqui.

    Não pretendo convencer ninguém do meu ponto de vista, mas apenas provocar uma reflexão.

    O mundo que deve ser condenado não é o mundo de Deus, Sua obra-prima, avaliado em Gênesis com um sonoro "Muito bom!"

    O mundo que deve ser condenado é o sistema edificado sobre a arrogância humana.

    Por favor, leia outros textos nossos sobre o assunto nos blogs

    www.igrejadofuturo.blogspot.com

    www.escatologiareinista.blogspot.com

    www.apocalipsedesvendado.blogspot.com

    Forte abraço.

    ResponderExcluir
  4. Gilson, obrigado pelo comentário.

    Que bom que não estamos sozinhos nesta luta, cada um com seu enfoque, mas com um mesmo propósito.

    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  5. Paz do Senhor,
    Vou sim me aprofundar nesta reflexão. Anotei os endereços indicados e pretendo com calma durante esta semana analisar.
    Sou de Blumenau-Santa Catarina e não lembro de ter visto Igreja Reina por aqui.

    Forte abraço e fique na paz de Cristo.

    ResponderExcluir