segunda-feira, novembro 02, 2015

21

É pecado honrar os mortos?



Por Hermes C. Fernandes

Todo segundo dia do mês de novembro se comemora no Brasil o Dia de Finados. Milhões de pessoas dirigem-se aos cemitérios para prestar homenagens aos seus mortos. Trata-se de um feriado católico, e que, portanto, não é observado por outras religiões, inclusive pelos evangélicos.

Particularmente, acredito que os evangélicos desperdiçam uma ótima oportunidade de relembrar seus antepassados.  Poderíamos adaptar esta celebração à nossa fé. Em vez de orar pelos mortos, como se isso pudesse interferir de alguma maneira em seu destino, poderíamos render graças por eles pelo legado que deixaram, ou simplesmente pela oportunidade que tivemos de conviver com eles.

Não há nas Escrituras qualquer respaldo para que os vivos orem pelos mortos. Mas também não há nada que nos impeça de agradecer a Deus pela vida que tiveram. Não apenas os que nos foram contemporâneos, mas também os que viveram muito antes de nós. Temos uma dívida de gratidão com todas as gerações que nos antecederam.

Já era costume homenagear os mortos nos dias de Jesus. Ele mesmo conta que os religiosos de seu tempo adornavam os sepulcros dos profetas. Em momento algum Ele condenou tal prática. Mas deixou subentendido que a melhor maneira de honrá-los era encarnar seus ensinamentos.

Ademais, as discípulas mais chegadas de Jesus foram ao Seu sepulcro prestar-lhe homenagem póstuma, achando que ainda estava morto. Nada há de errado nisso. Seres humanos necessitamos de vínculos, não apenas com os vivos, mas também com os que nos precederam. Isso ajuda a conferir sentido à existência. Somos todos ramos de uma árvore cujas raízes se encontram abaixo da terra.

Cada vez que leio uma obra escrita séculos atrás, meu coração se enche de gratidão a Deus por haver instrumentalizado aquela vida para abençoar a várias gerações. Louvo a Deus por Paulo, Agostinho, Francisco de Assis, Teresa d'Ávila, Lutero, Calvino, Edwards, Spurgeon e tantos outros. São homens como Abel, que mesmo depois de mortos, sua contribuição não perdeu a eloquência.

Confesso que nunca fui ao cemitério prestar homenagem a ninguém, a não ser por ocasião do sepultamento. Às vezes, sinto-me culpado por jamais ter depositado flores no túmulo de meu pai e no de minha querida sogra. Porém, tenho buscado honrá-los através de minha vida. A melhor maneira de honrar a memória de minha sogra é amando sua filha até o fim. E a melhor maneira de honrar meu pai é honrando o seu legado, jamais permitindo que caia no esquecimento.

Quanto à comunicação com os mortos defendida por algumas tradições religiosas, não há qualquer possibilidade à luz das Escrituras. Há, entretanto, uma maneira de comunicar-nos com eles. Os valores que aprendi do meu pai foram introjetados, tornando-se parte do meu ser. Cada vez que tenho que tomar uma decisão importante, lembro-me do que ele me ensinou. Aquela voz rouca ainda soa dentro de mim. A sepultura guarda apenas seus restos mortais, que aguardam o dia da ressurreição. Porém,  quem carrega sua vida sou eu e meus irmãos.  Meu pai vive em mim. Sou a extensão de sua existência terrena. Trago em mim, além seu DNA, sua ética, seus princípios e valores. E hoje, ele fala comigo através do eco de sua voz em minha consciência.

Definitivamente, meu pai não era perfeito. E a outra maneira que tenho de honrá-lo é buscando aperfeiçoá-lo em mim.

Se puder ir ao Cemitério depositar um ramalhete de flores, faça-o sem culpa. Mas lembre-se que seu ente querido já não está lá. Assegure-se de que ele vive em você, em sua memória, e na maneira como tem procurado conduzir-se nesta vida. 

21 comentários:

  1. Anônimo1:56 AM

    Sua sabedoria toca os corações... Aqui de longe dá para sentir a sua fé. Lindo trabalho que você faz.

    Bjs da Mel

    ResponderExcluir
  2. Eliane8:41 AM

    Ler seus textos me dá até vontade de voltar a ser evangélica.

    ResponderExcluir
  3. Anônimo3:45 PM

    Sinto muito,cara pálida!Comunicação com os mortos?Nem morto!Comunicação tem duas vias.Se eu me dirijo a alguém e este alguém não ouve,vê,ou responde,não há comunicação.Quando o Sr. lembra-se dos ensinos de seu pai não há comunicação entre voces dois.Afirmar isto é um engano(espero).É um resultado da comunhão entre pai e filho,mas não é comunhão real entre duas pessoas.Afirmar que há uma maneira de comunicarmos "com eles! é promover o espiritismo,mesmo que tendo-o negado na frase anterior,o que se torna uma incoerência.Por favor explique,se quiser.pois pra mim não precisa,mas pelos outros que lerão seu post.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo4:57 PM

    Isto é para incrédulos.
    O próprio anjo ao 3º dia na ressurreição de Jesus Cristo disse a Maria Madalena que Jesus Cristo não estava lá no sepúcro porque já ressuscitou.
    Então vemos que na morte de um cristão fiel, ele não está mais aqui, está nos braços de Jesus por isto não devemos visitar túmulos, e etc, pois é desacretitar em Jesus Cristo que é a vida eterna e que seus santos após a morte física não está com Ele.
    Deixem os mortos seputar os mortos assim diz a Palavra de Deus.
    É deixar para trás o que ficou e avançar com toda a força na pregação do evangelho.
    Deus tem prazer na morte de seus santos.
    Agora honra a pessoa que faleceu faça isto em vida.
    Senão é cultuar mortos e isto não agrada a Deus.
    É o que penso ok? Hermes.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo5:24 AM

    Hermes voce desta vez errou em publicar este texto ok?
    Não me leva a mal não.
    Este texto é totalmente espirita.
    Devemos somente cultuar a Jesus Cristo e não a mortos e honrá-los.
    Se querem honrar alguém faz isto em vida diante da pessoa.

    ResponderExcluir
  6. eu ja vou mais alem.....sem Deus quiser q se comuniquemos com ele?q mal tem? eos sonhos?.jesus é maior q a propria biblia, a propria biblia nao nos conta tudo, e nossas experiencias tb nao entraram na biblia.ninguem é deus aqui, na verdade somos pequenos deuses, mais ainda bem q vcs nao sao aquele q vai nos julgar...... tem nada de espirita o texto, ...temos q honrar os vivos, eu honro meu pai morto, cuidando da minha mae (a viuva) tive sonhos com meu pai, ele pedindo pra eu cuidar da minha mae.......agora se pra vcs é espiritismo...q seja, sou lavado pelo sanggue de Cristo, e acreditar no meu senho nao me deixa menos Filho de Deus. DNA de Deus esta em vcs, se vcs sao pequenos deuses, logo Deus fala atraves de nos.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo6:08 PM

    Ô Músico da impd, Satanás também dá sonhos ok?
    Vc é membro da igreja do Hermes? Heresias como esta, só pode ser de seguidores do guru Hermes.
    Quem falou com vc foi o capetão, o diabo, e não é espiritismo.
    Pois que cuida de nos é Jesus Cristo e Ele não manda recado para as pessoas desse jeito não!
    E o nosso sub consciente também nos engana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo por que você não dá o seu nome..... acho que você esta no mínimo sendo covarde.... ao fazer retaliações em um blogue pessoal...

      Excluir
  8. LeLê6:15 PM

    É só vc perguntar o defunto, se vc pode cultuar ele.
    Vá ao cemitério e pergunte o defunto, e ele vai te dizer, seu trouxa sai daqui senão eu te puxo para dentro da cova.
    Que caras mais idiotas estes bispo Hermes.
    Osa caras não lê a Verdadeira Palavra de Deus não?
    O cara aí estava sonhando com o diabo e pensou que era seu pai.
    Pegue um otário porque eu não sou não ok? Hermes e idolatras, cultuadores de defunto.
    Errais por não conhecer as Escrituras e nem o poder de Deus.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo9:49 PM

    é nisso que eu creio!

    ResponderExcluir
  10. Paz! Para uns honrar o indivíduo em vida pode mas depois de morto não porque senão é cultuar mortos. Se a lógica é esta então estamos cultuando vivos. Tendo dito isto, minha opinião é: honra a quem honra independente de se estar vivo ou morto. Vivo ou morto é só um detalhe. Vale mesmo é o legado que o indivíduo deixou. Abc, Fabio

    ResponderExcluir
  11. Anônimo1:30 PM

    Excelente postagem e reflexão equilibrada. Para os legalistas de plantão, deixo-vos uma singela mensagem:

    Porque o juízo será sem misericórdia sobre aquele que não fez misericórdia; e a misericórdia triunfa do juízo - Tiago 2:13

    ResponderExcluir
  12. Anônimo2:10 PM

    Aqui de boas vendo pessoas criticando os outros por não lerem as escrituras enquanto eles próprios não sabem ler e interpretar um texto. Em momento algum o Bispo Hermes defendeu o espiritismo, antes pelo contrário, escreveu: "Quanto à comunicação com os mortos defendida por algumas tradições religiosas, não há qualquer possibilidade à luz das Escrituras." Antes de virem aqui discutir o texto, instruam-se, cultura não faz mal a ninguém!

    ResponderExcluir
  13. Como hoje é Dias dos Finados , quero deixar um relato , se o Prof. Hermes permitir , que aconteceu na minha família:

    Conforme já citei em outros relatos, são muitas as experiências sobrenaturais que tenho grande prazer em compartilhar humildemente com vocês. Mesmo para aqueles que não crêm, o meu carinho é o mesmo para com todos.
    Vamos ao relato, para não cansar muito na leitura.
    Conforme já narrei em outros relatos, meu pai veio a falecer de câncer aos 69 anos de idade, em 2004.
    Antes e durante a sua partida, ocorreram alguns fatos que marcaram nossas vidas, como sinal de que ele partiu desta para melhor.
    Ele era um homem humilde, o qual dedicou quase toda a sua vida em servir à Deus aqui na Terra. Sua vida aqui foi repleta de experiências no que concerne ao mundo espiritual, tanto do bem como do mal.
    Hoje resolvi compartilhar com os queridos leitores, para quem quiser ler, a beleza do que ocorreu naquele dia. Se vocês puderem acreditar fico mais feliz ainda, pois foi verídico.
    Pouco tempo antes da sua partida (ele estava inconsciente), estava eu sentada ao seu lado, em sua cama, segurando a sua mão havia um certo tempo, quando derepente começei a sentir uma grande alegria envolver a minha alma, como se o quarto estivesse cheio da presença de seres que transmitiam alegria. Lembro-me que cheguei a pensar: "Os anjos estão aqui. Eles chegaram."
    Então, pouco depois, começaram a chegar as minhas irmãs, meus cunhados e amigos. Percebemos que ele já estava em seus ùltimos suspiros. Resolvemos então orar todos ao redor de sua cama, pedindo para que Deus nos consolasse naquela hora tão difícil.
    Quando levantamos da oração, aquela minha irmã que havia tido uma visão 2 anos antes com a sua morte, nos contou que viu pelos olhos espirituais, uma borboleta toda brilhante pousar nos pés do meu pai durante a oração.
    Passados uns 10 minutos, ele veio a dar o último suspiro nos braços da minha mãe. Meu cunhado então, o vê no canto da porta, em pé, vestido de branco, todo sorridente.
    Bom, o mais interessante é que uns dois dias depois de todo esse acontecimento, chegou até mim a explicação do porquê daquela alegria que havia sentido no momento em que me encontrava sentada ao seu lado.
    Na rua da minha mãe mora uma amiga nossa que tinha (pois já faleceu) uma tia que morava com ela e estava sob os seus cuidados, embora tivesse uma pessoa que cuidava dela. Ela se encontrava acamada e não podia andar.
    Essa sua tia tinha o dom da clarividência. Tinha visões do mundo espiritual e às vezes comentava com a sua sobrinha quando via os espíritos, tanto do bem como do mal adentrarem aquele lar, e enxergava ou sentia quando algo bom ou ruim acompanhava as pessoas que entravam naquela casa.
    Essa amiga também se encontrava lá em casa conosco quando o meu pai veio a falecer. Ficou mais um certo tempo e depois foi embora para a sua casa que ainda é até o dia de hoje, na mesma rua que minha mãe mora. Ela mora bem perto da casa da minha mãe; umas 5 casas para baixo.
    Ela contou que ao chegar em casa, a sua tia que não sabia de nada, ao vê-la, foi logo perguntando se ela tinha visto algo na rua. Sua sobrinha lhe perguntou o que era, e ela respondeu que: "havia tido uma visão daquela rua, naquele pedaço, e olhando para o alto vinha descendo uma espécie de clarão, e quando ela olhou já na rua, eram anjos resplandecentes, e eram vários..."
    Aquela notícia nos consolou, porque tivemos a certeza de que Deus havia enviado os seus anjos para buscarem o meu paizinho.
    Obrigado por lerem até o fim. Fiquem todos com Deus. Abraços.

    ResponderExcluir
  14. PEÇO permissão ao Prof. Hermes para mais esswe relato:

    ão existe sofrimento e trauma pior que a perda de um ente querido. Com certeza não queremos que partam desta Terra um dia, porque sabemos que a perda pode ser devastadora para nós. Mas quando chega o momento de um ente querido partir, pouco podemos fazer para impedir.
    Lembro-me que, quando o meu pai se encontrava no leito já em fase terminal; quando nos reuníamos em volta da sua cama para fazermos uma prece, ele dizia: "Orem para que seja feita a vontade de Deus." Porque ele sabia que a nossa vontade era que ele ficasse mais tempo conosco. Realmente não era fácil!
    Foi o que aconteceu há vários anos com uma família da minha igreja, cuja progenitora adoeceu gravemente, vindo a ficar por vários dias hospitalizada em estado de semi-coma. Os dias foram se passando e o seu estado só piorava. Os filhos não se conformavam com a sua situação, e quando iam visitá-la choravam em volta dela, oravam desesperados para que Deus não a levasse. E assim faziam todas as vêzes que iam visitá-la. Até que um dia aconteceu algo que os tocou profundamente... Aquela senhora que já estava definhando naquele leito da morte, voltou do coma, abriu os olhos e num tom de reprovação disse aos seus familiares: "Por favor, parem de orar pedindo para que eu fique! Não estou conseguindo partir por causa disso. Vocês estão me segurando aqui!" Havia chegado o momento dela partir. As orações pararam e em pouco tempo aquela senhora veio a falecer.
    Claro que não tenho contato com o meu pai como tinha quando ele estava conosco; mas ele tem se manifestado de uma forma ou de outra, através de sonhos e visões para meus familiares e amigos. De vez em quando eles aparecem, nem que for para dar um recado ou uma mensagem.
    Olha que lindo o relato de uma mulher que perdeu o seu marido com um câncer de pulmão:
    ________________________________
    "Após a morte do meu marido fui ao seu túmulo e disse:
    - Ó Senhor, se pudesse ouvir ele dizer uma vez mais "Eu te amo! Estou feliz e não sinto mais dor" , poderia prosseguir com a minha vida.
    Mas uma tarde, estando lá disse novamente:
    Senhor, por favor me dê pelo menos um sinal de que ele está feliz e que me ama.
    Então um pardal voou e pousou no topo do túmulo, a não mais de 30 centimetros de mim. Virou sua pequena cabeça e olhou diretamente para mim. Depois voou novamente para a montanha. Eu disse: "Obrigada Senhor!", e fui embora com o coração alegre.
    Quando cheguei em casa, contei à minha filha mais velha e ao seu marido o que acontecera. Duas semanas depois, meu genro e eu fomos ao túmulo novamente para cortar a grama e cuidar das flores. Ele levou sua máquina de filmar, pois queria fazer o registro do local. Enquanto filmava, um pequeno pardal voou e pousou sobre as flores azuis artificiais, e eu lhe disse:
    - Voce viu isso?
    Ele respondeu:
    - Sim, estou filmando tudo.
    O pássaro saiu da flor, rodeou o túmulo, voltou para a flor e depois voou para a montanha.
    Quando voltamos, meu genro contou à minha filha o que tinha acontecido, e que filmara tudo, mas quando colocou o vídeo vimos tudo, exceto o pardal!"
    ________________________________
    Deus quer que continuemos com a nossa vida, prosseguir em frente, e os que foram também...

    ResponderExcluir
  15. As vezes passamos por situações nesta vida que nos causam grande sofrimentos, mas creio que nada é mais doloroso do que a perda de um ente-querido. Criamos laços de amor tão profundos para com os nossos, que quando partem, levam um pedacinho do nosso coração. É como se o nosso coração fosse uma enorme rosa, e cada um que partisse, levasse consigo uma pétala. Mas, não existe dor mais profunda do que a morte de um filho. E, há algo, que dificilmente compreendemos: é a morte de um filho logo após o seu nascimento ou mesmo antes de nascer. É uma dor dilacerante! Já passei por isso.
    Mas creio que nada é por acaso! Esses espíritos que vêm à Terra por curtíssimo tempo; vivendo horas ou poucos dias após o seu nascimento; são espíritos que não necessitavam de vida longa na mortalidade para o seu desenvolvimento, como muitos precisam. Vieram apenas com uma única missão: criar desafios para o crescimento espiritual de seus pais.
    Foi o que aconteceu há alguns anos, onde tive uma visão do mundo espiritual à respeito desse assunto numa forma bastante simbólica. Tive a visão de um belo jardim, com belíssimas rosas. Algumas já estavam bem desabrochadas, outras à desabrocharem e alguns ainda em botões. Nisso, vejo adentrar nesse jardim um Ser de vestes resplandecentes, que se dirije a um daqueles botõezinhos e o colhe. Vira-se e vai embora, caminhando até desaparecer numa forma tênue. Lembro-me que cheguei a pensar: "Por que Ele estava levando um botão? Ele nem chegou a desabrochar? Por que não levou uma das rosas já formadas?"
    Bem, nessa época que tive essa visão, onde via tudo do alto, uma prima minha se encontrava gestante, já quase no finalzinho da gravidez. Era o seu primeiro bebê. Seu bebê estava saudável dentro de sua barriga e estávamos todos felizes e ansiosos pelo seu nascimento. Até que chegou o grande dia. Foi para o hospital para ter a sua criança, acompanhada de seu espôso e seus pais.
    Segundo a minha prima, que depois nos contou, a criança assim que nasceu parecia estar bem. Mas, de repente, em poucos minutos, as enfermeiras saíram correndo, com uma certa urgência, daquela sala de parto com o bebê. Logo em seguida , levaram a minha prima para o quarto.
    Passado algumas horas, os médicos chamaram o seu espôso e pais para darem a notícia de que o bebê havia falecido por complicações. Foi um desespero só! Minha prima ficou arrasada. Ficamos profundamente tristes quando recebemos a notícia.
    Foi então que me veio em memória aquela visão que o Senhor Jesus havia me dado, dias antes. Entendi que aquela criança não seria nossa. Veio, ficou algumas horas conosco aqui na Terra, e depois seu espírito voltou para a sua casa celestial, de onde viera. Já havia cumprido a sua missão. Mas, mesmo assim, sua presença por tão pouco tempo deixou marcas em nossos corações, e uma sensação de que já nos conhecíamos desde a eternidade.

    ResponderExcluir
  16. Pecado não é,mas desnecessário....a honra aos mortos(e até comunicação com os mesmos) foi, durante algum tempo, levada a sério:2º Mac 12:38-45,mas não encontra respaldo na Graça....Mt 8:22!!!
    Paz!!!!

    ResponderExcluir
  17. Céus, quanto ódio! O bispo não defende nenhuma vez a necromância.

    ResponderExcluir
  18. Eu gosto muitos dos seus textos Bispo Hermes, pq sempre procura ver "os dois lados da moeda", sem criar nenhuma nova lei, regra, crença, nada.. apenas olhar com outros olhos. Acho isso interessante. Confesso que nesse assunto eu não vejo nenhuma necessidade de levar flores ou algo do tipo, é claro q as pessoas deixam marcas nas nossas vidas, mas as lembranças sempre serão carregadas comigo, sem eu ter q ir a um cemitério. Então, no meu caso, não vejo nenhuma necessidade. Mas entendi o texto e a linha raciocínio. Parabéns!

    ResponderExcluir