terça-feira, setembro 21, 2010

14

Será este o casamento do futuro?

Em algum lugar ao redor do mundo, em algum tempo no futuro, um escriturário está cumprindo o seu expediente no balcão de um Cartório de Registro Civil:
“O próximo, por favor.”
“Bom Dia. Nós queremos dar entrada nos papéis para o casamento.”
“Nomes?”
“Pedro da Silva Pereira e João da Silva Pereira.”
“Silva Pereira? Vocês são parentes? Posso ver que se parecem fisicamente.”
“Sim. Somos irmãos.”
“Irmãos? Mas vocês não podem se casar!”
“E por que não? A lei já não contempla o matrimônio de casais do mesmo gênero? Sabemos, inclusive, que muitos têm tido seus registros aqui neste tabelionato.”
“Sim, milhares! Mas nós nunca tivemos casamentos entre irmãos. Isto seria incesto!”
“Incesto? Não! O senhor está equivocado. Nós não somos gays.”
“Não são gays? Então, por que querem se casar?
“Pelos benefícios financeiros, é claro. E, além disso, nós nos amamos, e não temos nenhuma outra pessoa em vista para o casamento.”
“Infelizmente, senhores, nós somente lavramos o registro de casamento de gays e lésbicas para quem a igualdade de proteção legal tem sido negada anteriormente pelas autoridades judiciárias. Se vocês não são gays, podem se casar com mulheres!”
“Um momento! Um homem gay tem todo o direito de casar-se com uma mulher, assim como eu também tenho. Entretanto, simplesmente porque eu sou hetero, não quer dizer que eu queira casar-me com uma mulher. Eu quero me casar com João, meu irmão.”
“E eu quero me casar com Pedro. Este cartório vai nos discriminar simplesmente porque não somos gays?”
Aproxima-se o Oficial do Cartório, e intervém:
“Está bem, está bem! Acalmem-se, senhores. Vamos dar entrada nos papéis e fazer correr os proclamas.”
“Próximo, por favor.”
“Olá. Estamos aqui com o propósito de casarmos.”
“Nomes?”
“Rodrigo Santos, Jane Vilela, Roberto Madureira e Maria do Rosário.”
“E quem vai casar com quem?”
“Todos nós queremos casar uns com os outros.”
“Mas como é isto? Vocês são quatro pessoas!”
“Sim, está certo. Mas, veja, somos os quatro bissexuais. Eu amo a Jane e ao Roberto, Jane ama a mim e a Maria, Maria ama o Roberto e a Jane, e Roberto ama Maria e a mim. Se todos nos casarmos será a única maneira em que poderemos expressar nossas preferências sexuais em um relacionamento matrimonial.”
“Senhores, infelizmente só procedemos o registro de casamento para casais de lésbicas e gays.”
“Mas isto é uma discriminação contra as pessoas bissexuais? Por que não podemos nos casar?”
“Infelizmente é assim mesmo, senhores. Bem... a idéia tradicional do casamento é apenas para casais.”
“E desde quando vocês se regulam e se determinam pela tradição?”
“Bem, o que quero dizer é que a gente tem que estabelecer o limite em algum lugar.”
“De acordo com quem? Não existe uma razão lógica para se limitar o casamento a um casal. Quanto mais, melhor! Além disso, nós reivindicamos os nossos direitos! As nossas autoridades afirmam que a Constituição garante igualdade e proteção legal a todos os cidadãos. O senhor queira, por gentileza, fazer correr os nossos papéis para o casamento!”
O Oficial do Cartório, agora mais atento, aproxima-se novamente, e arremata:
“Está bem, está bem! Será feito, senhores. Fiquem tranqüilos! Aceitam um cafezinho?”
O escriturário, sentindo-se constrangido, e de cabeça baixa e olhos pregados nos papéis, prossegue:
“O próximo, por favor.”
“Nomes?”
“Daniel Costa e Paulo Ricardo Gonçalves”
“Até que enfim um casal normal...!”
“Idades?”
“Daniel , 48 anos, e Paulo Ricardo, 13 anos”.
O escriturário levanta a cabeça e ajeita os óculos.
“Mas isto não é possível, senhor. Este menino é só um adolescente!”
“E qual o problema?”
“Bom...”
O escriturário olha para o Oficial, como a pedir socorro.
“O casamento produz a emancipação do menor, senhor. Já não é assim nos casamentos de heterossexuais?"
“O menor trouxe a assinatura dos pais ou responsáveis?”
“E é preciso?! Não basta apresentar as testemunhas? Elas estão assentadas ali...”
O escriturário já tem o pescoço meio virado para a mesa do Oficial, enquanto Daniel, à frente, repousa o seu braço sobre os ombros de Paulo Ricardo, que está igualmente expectante pela resposta.
“Por favor, dirijam-se àquela extremidade do balcão e resolvam este caso com aquele senhor lá adiante...”
“Próximo”.
“Nome?”
“Davi Januário Assunção.”
“E o outro homem?”
“Sou somente eu. Eu quero me casar comigo mesmo.”
“Casar-se consigo mesmo? O que você quer dizer com isto? Está maluco?”
“Bem, meu analista disse que eu tenho dupla personalidade. Então, quero casar as duas personalidades. Talvez, desta maneira, eu possa fazer uma declaração conjunta de Imposto de Renda e aumentar a minha restituição.”
A esta altura, foi o escriturário que quase teve um surto psicótico, e extravasou:
“Chega! Eu desisto!! Vocês estão fazendo pouco caso do casamento!!”
E, confuso, ele já não sabia mais se poderia oferecer alguma definição do que seja casamento... Aproveitou, e pediu ao Davi::
“Você pode me indicar o seu analista?... Aliás, vocês... xiii”.
"Mais tarde! Pois a fila continua imensa e crescente, e sabe-se lá o que ainda vem por aí."
Como foi dito, a situação acima é inteiramente ficcional ou fictícia. Entretanto, talvez alguém se pergunte: "E isto poderia tornar-se realidade?" O que você acha?

14 comentários:

  1. Gente , fiquei impactada !

    De uma forma bem simples vislumbrei o futuro da nossa sociedade ... caos é só o que vejo.

    Que o Senhor tenha misericórdia de nós e dos nossos...

    Simone C.

    ResponderExcluir
  2. A paz do Senhor, eu jah conhecia o seu blog, atraves do twitter, quanto ao texto eu não vejo como ficção e sim como colheta das sementes plantadas pela humanidade com a "aprovação" de muitos que falam em nome de Deus, dizendo-se até representantes.
    Estamos vendo a permissividade imperar, isso é fruto dos que temos colocado no congresso dizendo até ser votos de protesto, que eu chamo de voto irresponsavel, a exemplo de tiririca, não pelo cidadão Everardo, mais o palhaço tiririca, com a campanha paltada em palhaçadas.
    A humanidade está sodomizada, Deus não destruiu ainda porque ainda possue alguns que não se curvaram a essas situações deploraveis que estamos vendo, mais com certeza Ele está encurtando os dias e não demorará de vir buscar a sua igreja
    MARANATA
    PARABENS PELO BLOG

    ResponderExcluir
  3. Do jeito que caminha a humanidade...
    Não duvido que algo parecido se torne real!

    Que Deus tenha misericordia de nós!

    E que as pessoas saibam "estudar" os candidatos para votar nas proximas eleições e nas futuras tbm..

    ResponderExcluir
  4. Uau.
    Irmão Hermes, eu me senti gelar por dentro ao ler seu texto.

    Que Deus tenha misericórdia de nós.

    ResponderExcluir
  5. ma sé só o que falta né?? kkkkkk

    ResponderExcluir
  6. Caro Hermes, infelizmente a resposta é sim, acho que o escrivão poderia procurar o "Analista de Bagé", Este texto esta a cara do Erico Veríssimo.

    Gostaria muito de publicá-lo em meu blog, posso?

    Em Cristo:
    Amarildo.

    ResponderExcluir
  7. Fique a vontade, Amarildo.

    Obrigado a todos pelos preciosos comentarios.

    ResponderExcluir
  8. Eu tenho medo!!!! Meus filhos e futuros netos e que estarão vivendo neste mundo caotico!!! Maranata oh! vem Senhor.

    ResponderExcluir
  9. QUEM SABE O EDIR MACEDO VAI FAZER TODOS ESSES CASAMENTOS,JÁ QUE ELE ADORA ESSAS COISAS

    ResponderExcluir
  10. É MESMO O FIM!!! É A CARA DO EDIR MACEDO

    ResponderExcluir
  11. “O próximo, por favor.”
    “Nomes?”
    “Frederico e Jurenma”
    “Até que enfim um casal normal...!”
    “Idades?”
    “Frederico 30 anos e Jurema, 1 ano, minha cadelinha”.
    O escriturário levanta a cabeça e ajeita os óculos.
    “Mas isto é impossível, senhor. O Senhor quer casar com o seu animal de estimação”
    “E qual o problema?”
    Infelizmente, senhor, nós somente lavramos o registro de casamento de gays e lésbicas para quem a igualdade de proteção legal tem sido negada anteriormente pelas autoridades judiciárias.
    “Um momento! Um homem gay tem todo o direito de casar-se com uma mulher, assim como eu também tenho. Uma mulher lésbica tem o direito de casar com um homem, Entretanto, simplesmente porque eu pratico zoofilia, não quer dizer que eu queira casar-me com uma mulher. Eu quero me casar com Jurema minha cadelinha.”
    É uma opção sexual minha a qual a lei me garante este direito;
    O escirturário ergue as mãos e cabeça para os céus e diz:

    “ Volta logo Jesus, já não dá mais. “

    ResponderExcluir
  12. Hoje, esta mensagem pode até parecer cômica, mas em um futuro não tão distante, creio que não seremos mais capazes de rir de algo assim...

    Senhor, volta logo!

    nEle

    Carlos

    ResponderExcluir
  13. Como disse a irmã Vanessa, o Macedão pode gostar muito de fazer estes casamentos, vou até deixar aqui uma dica para ele; sabendo de sua preocupação com o controle de natalidade, demonstrado no episodio em que ele defende veementemente a prática do aborto, ele poderia também se esconder debaixo deste problema social para defender o casamento gay.

    Talves seja um dos métodos mais eficazes no controle de natalidade. Sem gastar com médico, sem risco de vida, sem crianças nos importunando nos semáforos, vejam que maravilha.

    Creio que cada casamento gay fecha uma porta, para a continuação humana.

    Oh Senhor!!! Tenha misericordia das gerações futuras, usa-nos na expanção de seu Reino, e que o seu infinito amor possa nos conduzir a preparação de um caminho mais santo para os que hão de vir. Amém.

    Amarildo.

    ResponderExcluir
  14. Anônimo11:07 PM

    excelente texto

    mas o josias me matou com a história de casamento com a cadelinha

    kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir